Tribuna Expresso

Perfil

Ténis
Philipp Lahm

Philipp Lahm

Antigo campeão do Mundo de futebol

Federer é admirado e amado por todos porque, sendo um escolhido, o rapaz de Basileia é um de nós (por Philipp Lahm)

O antigo internacional alemão e campeão do mundo pela sua seleção em 2014 escreve sobre Roger Federer, o mago suíço, e de como se identifica com aquele artista que, tal como ele, ainda que num desporto diferente, começou por ser apanha-bolas antes de se tornar num ícone do ténis. Sem nunca deixar de ser um de nós

Philipp Lahm

Paul Childs/Reuters

Partilhar

Há um vídeo de Roger Federer de quando tinha 36 anos e já tinha vencido 19 torneios do Grand Slam 19. Nele, olha para fotos antigas, de quando ainda era um apanha-bolas no Open da Suíça, em Basileia. É difícil reconhecê-lo de tão jovem que era. Juntamente com outros, está de pé ao lado do vencedor Michael Stich, que lhes oferece umas medalhas.

“Adorava ser um apanha-bolas”, diz no vídeo. “Tive a oportunidade de ver os melhores jogadores de perto”. O Federer adulto sorri ao ver os “olhos brilhantes” do Federer miúdo, ficando, ele próprio, com os olhos a brilhar. “Como se fosse ontem”.

Esta semana, revi o quarto e quinto sets da final do Open da Austrália de 2017 entre Roger Federer e Rafael Nadal. Com alguma melancolia, porque Roger Federer termina a sua carreira extraordinária este fim de semana. Muitos hinos foram cantados sobre a sua esquerda, a sua elegância, o seu controlo corporal e jogo criativo e leve. “O objetivo dos desportos de competição não é a beleza, mas os desportos de alto nível são um local privilegiado para a expressão da beleza humana”, escreveu David Foster Wallace sobre Federer.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler