Tribuna Expresso

Perfil

Crónica

A pergunta a que Fernando Santos não respondeu

Sim, vamos estar no Mundial do Qatar, acredita Bruno Vieira Amaral. E, uma vez lá chegados, Portugal passará a primeira fase e, depois, assim que enfrentar uma seleção decentemente organizada, como o Uruguai, a Bélgica ou a Sérvia, será recambiado para Lisboa, não sem ter direito, pelo meio, aos devaneios místico-supersticiosos do selecionador que ainda no domingo, à pergunta concreta sobre os motivos pelos quais fruta de tanta qualidade dá um sumo tão amargo, fez um silêncio pinteriano, encolheu os ombros, torceu os lábios e respondeu com uma pergunta: “o que é que eu vou responder?”

Bruno Vieira Amaral

NurPhoto

Partilhar

Estádio da Luz, 2037, apuramento para o Mundial do Tibete, Portugal enfrenta a poderosa seleção de Andorra na luta pelo último lugar de acesso à competição. No banco, com água pelos joelhos devido às alterações climáticas, Fernando Santos dá indicações a Cristiano Ronaldo para pressionar os defesas contrários. CR77 esbraceja, atira a braçadeira para o lago e, após o empate que afasta Portugal do Mundial, entra no iate que o aguarda à saída do estádio e segue para a Madeira. Na conferência de imprensa, questionado pelos jornalistas, o selecionador lembra a gesta de Paris, o golo de Éder, o único grande título da seleção e queixa-se de ainda não ter tido tempo de implementar as suas ideias. A Federação Portuguesa de Futebol renova-lhe o contrato.

Concedo que seja um cenário fantasioso, mas nunca se sabe. O futebol português é pródigo em situações inverosímeis. E a continuidade eterna de Fernando Santos à frente da seleção graças aos créditos acumulados naquele mês em França nem seria das coisas mais estranhas se atendermos à tolerância de que o selecionador goza não junto dos adeptos, que ontem lhe acenaram com lenços e máscaras descartáveis, mas junto de quem decide e manifestamente tem tanta fé em Santos como Santos tem nas suas fezadas.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • A fé não calça botas
    Portugal

    Apesar do golo logo aos 2 minutos, Portugal foi sempre inferior à Sérvia, que acabaria por conseguir a reviravolta aos 90'. Bernardo, substituído aos 64', foi o melhor futebolista em campo do lado português. A seleção nacional vai disputar o play-off de acesso ao Catar 2022

  • Portugal ainda não saiu de 2016
    Portugal

    É preciso adaptar a ideia, refrear os receios e anseios, e dar espaço para que o talento emergente e mais que reconhecido dos jogadores portugueses apareça na seleção. Porque é deprimente olhar para todo este talento e perceber que a equipa não divergiu do sucesso de há cinco anos, escreve o treinador Blessing Lumueno, descrevendo a forma como Portugal hoje joga como um retrato cultural da sociedade portuguesa: que se conforma com os serviços mínimos, que se perde e retrai nos mesmos receios e anseios de um bebé que duvida se deve descer do sofá