Tribuna Expresso

Perfil

Crónica
Tomás da Cunha

Tomás da Cunha

Analista e comentador de futebol

O Manchester United de Solskjaer. Ou como ninguém espera por gigantes presos no passado

Um exemplo paradigmático de Ole Gunnar Solskjær no Manchester United é o milagre de Paris, há dois anos, quando a desfalcada equipa inglesa conseguiu uma vitória épica sobre o favorito Paris Saint-Germain. Analisar resultados sem ter em conta as circunstâncias que os provocam leva demasiadas vezes a decisões imediatistas e esse jogo, escreve o analista de futebol Tomás da Cunha, agarrou o treinador norueguês ao cargo — até hoje, que tem melhor plantel, mas continua a não conseguir montar uma equipa. E a Premier League, no topo, já não aceita a mediania coletiva

Tomás da Cunha

Alex Pantling/Getty

Partilhar

O nome de Ole Gunnar Solskjær seria capaz de provocar um sorriso a qualquer adepto do Man United, especialmente aos que já tinham idade suficiente para vibrar com a mítica reviravolta de 1999, em Camp Nou. Alex Ferguson foi o primeiro a acreditar no milagre. Quis o destino que também estivesse a assistir in loco à humilhação sofrida pelo ex-pupilo frente ao grande rival — aquela expressão que a realização nos mostrou, já depois do 0-5, traduz o sentimento generalizado.

Como tanta coisa no futebol atual, a chegada do norueguês ao banco dos red devils foi precipitada e não deixou de considerar dois fatores simbólicos. O fantasma de Alex Ferguson ainda paira sobre Old Trafford e o clube continua órfão de um líder que o recoloque no caminho da glória, sendo mais do que natural a expetativa de que pudesse ser um dos 'filhos' do escocês. A isto junta-se o estatuto de herói intemporal de Solskjær, sempre importante quando é preciso encontrar a estabilidade. E o Manchester United precisava, depois da saída conturbada de José Mourinho.

Em dezembro de 2018, sem experiência muito relevante nos grandes palcos, pensava-se que o emblema de Manchester tinha abraçado uma solução transitória, esperando o momento certo para atacar um treinador que alavancasse o projeto. Desde essa altura, vive do impacto psicológico de certas decisões. Houve melhoria imediata com a troca de treinador, mas muito mais entendível pela forma como a equipa se libertou da rigidez de Mourinho do que por mudanças táticas significativas.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler