Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

O Tour a despedaçar-se aos poucos: Primoz Roglic e Magnus Cort abandonam

O vice-campeão da Volta à França em 2020 retirou-se para tratar de lesões sofridas numa queda este ano, na 5.ª etapa. E o dinamarquês que venceu a 10.ª tirada também saiu da prova por ter testado positivo à covid-19

Lusa

CHRISTIAN HARTMANN/Getty

Partilhar

O ciclista esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), vice-campeão da edição de 2020, abandonou, este domingo, a 109.ª Volta a França, para poder recuperar das lesões resultantes da queda sofrida na quinta etapa.

“Para permitir que as minhas feridas sarem devidamente, decidimos que não vou alinhar hoje”, explicou Roglic, citado nas redes sociais da equipa neerlandesa.

Este é o segundo abandono consecutivo do esloveno de 32 anos na Volta a França, já que na passada edição também foi forçado a desistir devido às lesões resultantes de uma queda.

“Estou orgulhoso da minha contribuição para as atuais classificações e confio que a equipa vai concretizar as nossas ambições amarelas e verdes. Obrigado a todos pelo apoio”, concluiu.

‘Rogla’ caiu na quinta etapa, juntamente com outros ciclistas, a cerca de 30 quilómetros da meta, numa queda provocada por um ‘delimitador’ da estrada que se soltou, e ficou afastado da luta pela geral, liderada pelo seu companheiro dinamarquês Jonas Vingegaard.

O esloveno, atual tricampeão da Volta a Espanha e campeão olímpico de contrarrelógio, trabalhou nos últimos dias na defesa da amarela e ocupava a 21.ª posição da geral, a mais de 33 minutos de Vingegaard.

Roglic, que irá agora preparar-se para a Vuelta, é a primeira ‘baixa’ no coletivo da Jumbo-Visma, que tem também Wout van Aert como líder da classificação por pontos. Também este domingo e além do esloveno, o dinamarquês Magnus Court, da equipa EF Education-EasyPost, acompanhou-o na lista de retiradas.

“Magnus Cort acordou esta manhã com dores de cabeça e febre e desde então testou positivo à covid-19. Ele não vai alinhar na 15.ª etapa da Volta a França. A sua avaliação médica está a decorrer”, lê-se na conta oficial da formação norte-americana na rede social Twitter.

O dinamarquês de 29 anos despede-se desta ‘Grande Boucle’ depois de ter conquistado a 10.ª etapa, em Megève, e de ter entrado na história do Tour, ao tornar-se no primeiro ciclista a vencer as 11 primeiras contagens de montanha de uma mesma edição.

Na quarta etapa, Cort superou por larga margem o recorde estabelecido pelo espanhol Federico Bahamontes, que em 1958 cruzou na frente as primeiras sete contagens de montanha dessa edição.

O carismático ciclista da EF Education-EasyPost, que liderou a classificação da montanha durante sete etapas, também se destacou nas jornadas iniciais por ser o primeiro a integrar quatro fugas consecutivas desde o belga Thomas de Gendt em 2017.

Esta é a segunda ‘baixa’ importante no Tour antes do arranque da 15.ª etapa, que liga hoje Rodez a Carcassone ao longo de 202,5 quilómetros, já que também o esloveno Primoz Roglic, vice-campeão do Tour2020 e companheiro do camisola amarela Jonas Vingegaard, abandonou para recuperar das lesões resultantes da queda sofrida na quinta tirada.

O ciclista da formação norte-americana, que há uma semana perdeu o português Ruben Guerreiro por doença, junta-se na lista de ‘baixas’ por covid-19 aos franceses Warren Barguil (Arkéa Samsic), Geoffrey Bouchard (AG2R Citroën) e Guillaume Martin (Cofidis), ao norueguês Vegard Stake Laengen e ao neozelandês George Bennett, ambos da UAE Emirates, e ao australiano Luke Durbridge (BikeExchange-Jayco).