Tribuna Expresso

Perfil

Opinião
Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Treinador de futebol

O Benfica foi passado a ferro no Estádio do Dragão (a análise de Blessing Lumueno)

A forma como o FC Porto condicionou o jogo a ir ao encontro das suas melhores características (e monta zonas de pressão, sem bola), retirando, na maior parte do tempo, o melhor que o Benfica tem para dar, foi a chave do clássico, segundo a análise do treinador Blessing Lumueno, que deixa também uma questão. Entre 2009 e 2016, Jorge Jesus foi um treinador marcante no processo defensivo. Sobretudo na organização da última linha. Hoje em dia, tendo perdido o que fazia dele especial e sem ter somado ganhos significativos, o que será feito de Jorge Jesus?

Blessing Lumueno

Octavio Passos/Getty

Partilhar

O título do texto não é uma expressão que eu aprecie por diminuir todo o trabalho realizado pelos profissionais de uma equipa a um momento. Mas, talvez não haja melhor forma de caracterizar a contundente vitória de Sérgio Conceição sobre Jorge Jesus. Sim, eu sei que costumo dizer sempre que o jogo é ganho ou perdido por jogadores, e que os treinadores ajudam um pouco. Mas a diferença coletiva foi tão evidente em quase todos os momentos que não há como não entregar o prémio de melhor em campo ao treinador do FC Porto, e o de pior ao seu homólogo do Benfica.

E, como sempre, tudo começa numa ideia de jogo vincada o suficiente para amarrar os principais envolvidos no processo. Sérgio Conceição não negoceia dos princípios básicos: pressão e agressividade nas abordagens individuais. A vitória no clássico começa quando há uma equipa com muitas certezas sobre o que fazer, como fazer, quando fazer, e outra com muitas dúvidas.

A pressão tem sido uma das maiores armas deste FC Porto e nota-se sempre a preocupação de fazer a bola entrar no corredor lateral, isolar o portador da bola nesse espaço, fechar todas as linhas de passe mais próximas e pressionar. Tudo isto num movimento sincronizado e coordenado pelo jogador que pressiona a bola, onde todos pensam no mesmo e agem em função do mesmo objetivo. Ainda assim, a pressão do FC Porto não surpreendeu, nem tão pouco o ritmo que colocou no jogo com e sem bola. Estranha foi a não preparação do Benfica para saltar essa pressão ou, no limite, não se dar a ela.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Dragões cheios de fogo queimam o Natal das águias
    Futebol nacional

    O FC Porto derrotou (3-0) o Benfica, garantindo presença nos quartos de final da Taça de Portugal. A equipa de Conceição - que, tal como Jesus, viu o jogo da bancada - entrou com tudo na partida, chegando aos 3-0 aos 31 minutos graças a um futebol que conjugou a agressividade coletiva com o talento de Vitinha ou Luis Díaz. Em cima do intervalo, Evanilson, autor de um bis, foi expulso, mas o Benfica nunca mostrou capacidade para dar a volta ao resultado