Perfil

Mundial 2022

Catar planeia adaptar algumas das suas leis ao Mundial 2022: embriaguez em espaços públicos não levará a pena de prisão

A dois meses do Mundial, as dúvidas dos adeptos estão muito para lá de temas como “Quem chega à final?” ou “Quem acaba em primeiro lugar dos grupos?”. O que os adeptos precisam de saber é como terão que se comportar enquanto estiverem no Catar, um país com regras bastante diferentes daquelas a que a maioria está habituado. Aos poucos vão sendo revelados pormenores sobre a abordagem ao policiamento num país que admite agora rever algumas das suas leis

Rita Meireles

picture alliance/Getty

Partilhar

A menos que evolua para situações mais problemáticas, estar alcoolizado na via pública não é um crime na maioria dos países. Também não é algo pouco comum de se ver em grandes eventos desportivos. O problema é que beber em excesso em locais públicos no Catar pode levar a pena de prisão e é exatamente esse o país que vai acolher o Mundial de 2022, marcado para os últimos meses do ano.

A pouco tempo de receberem milhares de adeptos habituados a diferentes regras, um diplomata familiarizado com os briefings feitos à polícia estrangeira da parte do Catar, contou à Reuters que os adeptos apanhados a cometer delitos menores, tais como embriaguez pública, escaparão a qualquer acusação ao abrigo dos planos que estão a ser desenvolvidos pelas autoridades da nação.

Embora a estratégia policial para a competição ainda não esteja finalizada, os organizadores disseram aos diplomatas e à polícia que pretendem mostrar flexibilidade para infrações relativamente menores.

"O aumento da clemência agrada à comunidade internacional, mas vem com o risco de perturbar os conservadores dentro do país", disse outro diplomata ocidental à mesma agência.

Quem ainda não fez qualquer comentário sobre a abordagem ao policiamento foi a própria organização do torneio. Sendo assim, os adeptos continuam a ser alertados pelas embaixadas dos países em competição em relação às punições que podem surgir por causa de comportamentos que seriam tolerados noutros locais.

"Lembrem-se, enquanto estiverem no Catar estão sujeitos às leis locais", disse o diplomata americano Morgan Cassell num vídeo publicado no Youtube.

De acordo com a lei do Catar, a liberdade de expressão é restrita, a homossexualidade é ilegal e o sexo fora do casamento é proibido. A embriaguez pública pode incorrer numa pena de prisão de até seis meses e algumas situações consideradas normais noutros locais, como demonstrações públicas de afeto ou o uso de determinadas roupas, podem ser motivo para uma pessoa ser presa.

"Discutir ou insultar outros em público pode levar à detenção. Atividades como protestos, acusações religiosas, defesa do ateísmo e críticas ao governo do Catar ou à religião do Islão podem ser criminalmente processadas aqui. Isto aplica-se também às vossas publicações nas redes sociais", avisou Cassell.