Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Fórmula 1 anuncia 24 corridas para 2023, o calendário mais longo da história

O Mundial de Fórmula 1 de 2022 ainda não acabou, mas o de 2023 já está a ser preparado. E vai chegar com uma dose ainda maior de corridas. Serão 24, um número recorde para a modalidade. Bom para os adeptos que terão mais desporto para ver, mas não tão bom para as equipas que poderão chegar ao limite

Rita Meireles

ATTILA KISBENEDEK/Getty

Partilhar

O calendário de Fórmula 1 para 2023 foi anunciado e confirma o rumor de que será o campeonato mais longo da história da modalidade. Com um total de 24 corridas, o máximo permitido ao abrigo do atual acordo comercial com as equipas, o plano foi aprovado esta terça-feira numa reunião do conselho mundial do desporto automóvel da Federação Internacional do Automóvel (FIA).

O aumento do número de corridas, sendo que o calendário deste ano tem 22 datas (23 inicialmente, mas caiu o GP Rússia), é mais um passo no crescimento da modalidade que atrai cada vez mais adeptos em todo o mundo. Por outro lado, é um peso extra para todos os que trabalham nas equipas. Só no mês de julho, haverá quatro corridas, em dois double-headers (corridas em dois fins de semana seguidos). Algo que também não facilita o processo são as distâncias que todos terão que percorrer entre países, muitas vezes com pouco tempo de descanso.

A temporada começa no Bahrain a 5 de março e vai terminar em Abu Dhabi a 26 de novembro. As novidades Las Vegas e Catar estão confirmadas, as duas nos últimos meses da competição.

Confirmado está também, a partir desta terça-feira, a permanência do Grande Prémio do Mónaco até 2025. Ao longo deste ano surgiram várias notícias a dar conta da possibilidade de o circuito sair do calendário, mas não passaram de rumores. A corrida no principado fará parte do único triple-header do próximo ano, que conta com o GP de Emilia Romagna primeiro e termina em Espanha, o circuito mais próximo de Portugal, que continua fora das contas da Fórmula 1.

Como previsto, a corrida na África do Sul não foi incluída, mas a China regressou com uma data marcada para 16 de abril. No entanto, esse GP continua sujeito às restrições contra a covid-19 impostas no país. Caso tenha que ser novamente cancelada, talvez venha a ser substituída mais tarde.

O GP Bélgica, também considerado ameaçado, manteve o seu lugar a 30 de julho, mas a corrida em França já não teve a mesma sorte e perdeu um lugar entre as 24 escolhidas.

O que continua sem mudar, apesar de todas as críticas e oposição de grupos defensores dos direitos humanos, adeptos e até alguns pilotos, é a presença de lugares como a Arábia Saudita, onde esses mesmos direitos são negados a muitas pessoas.

Stefano Domenicali, diretor executivo da Fórmula 1, mostrou-se positivo em relação ao aumento do número de corridas no calendário: "A Fórmula 1 tem uma procura sem precedentes para receber corridas e é importante que consigamos o equilíbrio certo para todo o desporto. Estamos muito satisfeitos com a forte procura que a F1 continua a viver".

Ao longo da temporada, Christian Horner, chefe de equipa da Red Bull, já tinha comentado este número, que considerou "mesmo no limite" do que poderia ser pedido às equipas.

  • Bem-vindos à lei de Verstappen, oposta à de Murphy: tudo o que pode correr bem, vai correr bem
    Fórmula 1

    O neerlandês da Red Bull venceu o GP Itália, o seu quinto triunfo consecutivo, aumentando ainda mais a vantagem na classificação rumo ao bicampeonato. Depois das penalizações que baralharam a grelha de partida, Max partiu de sétimo para terminar à frente de todos, numa corrida que acabou atrás do safety car, entre vaias dos tiffosi que queriam um recomeço que permitisse a Leclerc, o segundo, ainda tentar ultrapassar o homem que domina a F1

  • Mick Schumacher: “Difícil ser filho de Schumacher? A Fórmula 1 é dura por si só”
    Entrevistas Tribuna

    O piloto da Haas, de 23 anos, fala à Tribuna Expresso e diz que a família sempre o deixou à vontade para decidir o que gostaria de fazer no futuro e que não sente pressão adicional por ser filho de um sete vezes campeão mundial de Fórmula 1. Mick admite que desde muito novo teve de aprender a lidar com a imprensa, que não liga a comparações e que está feliz com a evolução da equipa, depois de um primeiro ano difícil. O objetivo não é diferente do que qualquer outro jovem na Fórmula 1: quer “fazer grandes coisas”, ser “campeão mundial”