Perfil

Sporting

Na era Rúben Amorim, este não é o Sporting de antigamente. Porquê?

Profundidade do plantel, saída de futebolistas importantes, falta de criatividade, fragilidade defensiva, menos qualidade na bola parada e quebra de mentalidade e confiança coletivas explicam os problemas do Sporting esta temporada, indicam os comentadores Tomás da Cunha e Luís Cristóvão. A equipa tem muitos menos pontos e mais golos sofridos à 16.ª jornada do que na mesma altura nas duas épocas anteriores, as primeiras completas de Ruben Amorim em Alvalade. “Quando a equipa está a perder, tem muitas dificuldades em reentrar no jogo e para dar a volta ao marcador”

Hugo Tavares da Silva

Octavio Passos

Partilhar

No futebol há muitas verdades. Invariavelmente, há uma que fala mais alto do que todas, trata-se da melodia da classificação. O Sporting de Rúben Amorim, na terceira temporada completa, vive um momento de indefinição. Esta noite, caso o Casa Pia vença no campo do Estoril, os sportinguistas vão dormir na quinta posição, algo impensável há uns meses por tudo o que vem sendo este projeto leonino.

Os números tocam normalmente uma melodia mais rude do que doce. Em 27 partidas feitas esta época, o Sporting já perdeu tantas vezes desde agosto (nove) do que na época passada inteira e mais vezes do que na anterior (três), a de estreia do treinador no clube, em 53 e 42 jogos, respetivamente. A fiabilidade da equipa sangra. Os golos sofridos também revelam alguns problemas. Enquanto se vislumbraram 28 golos sofridos, os leões sofreram 49 e 28 nas épocas anteriores (nos tais 53 e 42 jogos).

Rúben Amorim, que falou recentemente em “bipolaridade”, tem sido acusado de ter um modelo de jogo pouco variável, previsível até. O próprio treinador reconheceu-o antes do jogo da época passada contra o Manchester City de Pep Guardiola. O dossier “avançado” é outra questão entre sportinguistas e nas conferências de imprensa, há quem aponte aí para uma teimosia do técnico, pois Paulinho surge como o único “9”, servindo não poucas vezes Sebastián Coates de solução. A venda de Matheus Nunes, ferindo agudamente o grupo e o nível competitivo da equipa, na véspera de um clássico com o FC Porto, também beliscou o arranque e andamento dos trabalhos deste grupo. Por esta altura mantém-se a incógnita da continuidade de Pedro Porro e Marcus Edwards, talvez os jogadores mais influentes da equipa na resolução de problemas.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler