Tribuna Expresso

Perfil

NBA

A NBA vai continuar a ter Neemias Queta: Sacramento Kings ofereceram um novo contrato ao português

Neemias Queta já tem os dois pés na NBA novamente. A pouco tempo de terminar a pausa de verão, os Sacramento Kings ofereceram ao português um segundo contrato two-way. Apesar de ainda não ser certa a continuação ao serviço dos Kings, fica confirmado o segundo ano de Queta na liga de basquetebol norte-americana

Rita Meireles

Katelyn Mulcahy

Partilhar

Neemias Queta vai voltar para mais uma temporada na NBA. Quem o garantiu foram os Sacramento Kings quando ofereceram ao jogador português um novo contrato two-way, segundo avançou o jornalista Keith Smith. Na época passada, Queta já tinha assinado este tipo de contrato, que permite ao jogador realizar jogos na G League e na NBA ao longo da época. Mas se por um lado o segundo ano na NBA está garantido, por outro o regresso ao plantel dos Kings vem acompanhado por um ponto de interrogação.

Sim, foi a equipa de Sacramento que ofereceu um novo contrato a Queta, mas o jogador ainda pode receber outras propostas. Caso isso não aconteça, a continuação nos Kings está garantida. E mesmo que aconteça, os Kings têm a opção de igualar a proposta e ficar com Queta, graças ao direito de preferência. Mas um novo destino poderá ser uma realidade, se existirem propostas melhores em cima da mesa e em Sacramento decidirem não igualar.

Mas as coisas parecem estar encaminhadas para que não existam muitas alterações em relação à época passada. É que também esta quarta-feira Queta foi confirmado no plantel dos Kings para o California Classic, que será disputado entre os dias 2 e 7 de julho, em São Francisco.

Com um contrato two-way, o jogador vai continuar a dividir o seu tempo entre os Sacramento Kings, na NBA, e os Stockton Kings, na G League. Algo que pode continuar a ser positivo para o seu desenvolvimento.

“Acho que esse tipo de contrato [two-way] é só uma mais-valia para o Neemias. Muitos dos jogadores passaram pela G League e agora são estrelas nas equipas e all-stars. Não tendo tanto espaço na equipa principal, pelo menos na G League vai desenvolver minutos de jogo, trabalhar players development [desenvolvimento dos jogadores], fazer parte de uma equipa e acho que isso só lhe faz bem. Não é um passo atrás, não tem nada de negativo, antes pelo contrário”, garantiu Mery Andrade, em entrevista à Tribuna Expresso no verão passado.