Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Tozé Marreco: “Custa-me sofrer golos de bola parada, o que não pode acontecer”

Na conferência de imprensa depois da derrota (3-0) contra o FC Porto na Supertaça, o técnico do Tondela lamentou ter sofrido o primeiro golo de canto, mas sublinhou que a sua equipa "sai inteira" da partida e que "frustrante não é a palavra certa" para definir a noite dos beirões

Expresso

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

Análise à partida

"Saímos inteiros deste jogo. Tínhamos plano definido para o jogo, sabendo que o FC Porto ataca com muita gente, projetando os laterais. Queríamos aproveitar isso, saindo por fora ou verticais. Conseguimos, num ou noutro momento, fazer isso, faltou no último terço fazer mais. Custa-me sofrer golos de bola parada, o que não pode acontecer. Aí não fomos competentes, mas levamos indicadores bons para o nosso campeonato, vou contente com a base que demonstrámos"

Resultado é frustrante?

"Eu queria ganhar, a equipa queria ganhar. Montámos uma estratégia para ganhar, sabendo da diferença entre as equipas. Mas sabemos que, por mais que estejamos bem organizados, a competência individual faz a diferença. É o FC Porto, que está com o mesmo treinador vai para seis anos. Frustrante não é a palavra certa"

Acredita que voltará a palcos como este?

"Estou a fazer o meu trajeto desde baixo. Não me tem caído nada do céu, tenho feito o meu trajeto patamar a patamar. Foi o que disse hoje à minha família: é um dia que queria viver, mas viver para repetir, e da próxima vez que aqui estiver, aprender com os erros"

  • Sérgio, o camaleão, e Taremi, o faz-tudo, prolongam o sorriso do FC Porto
    FC Porto

    Os campeões nacionais venceram (3-0) o Tondela e conquistaram a Supertaça Cândido de Oliveira, juntando-a à I Liga e à Taça já erguidas em 2022. Com várias baixas, o primeiro FC Porto versão 2022/23 apresentou-se com três avançados, juntando Danny Loader a Evanilson e Taremi, em mais uma mudança de registo do guião de Sérgio Conceição, que viu o iraniano brilhar