Perfil

Futebol internacional

AFP diz que Cristiano Ronaldo vai mesmo receber mais €200 milhões além do salário para promover candidatura saudita ao Mundial de 2030

A influência de Cristiano Ronaldo no futebol é indiscutível, mas Portugal prepara-se para ver esse poder jogar na equipa adversária. Segundo a agência, o português será mesmo embaixador da candidatura saudita ao Mundial 2030, o mesmo que Portugal está a tentar receber em conjunto com a Espanha e Ucrânia. O dinheiro virá não do Al-Nassr mas diretamente da família real

Rita Meireles

Jorge Ferrari

Partilhar

Os números da transferência de Cristiano Ronaldo para o Al-Nassr são altos, mas, segundo a agência de notícias AFP, podem ser ainda mais elevados. A hipótese já havia sido avançada ainda antes do português assinar contrato, mas agora a agência francesa reforça que no acordo que levou Ronaldo para a Arábia Saudita podem estar mais 200 milhões de euros para promover a candidatura do país que pretende receber o Mundial de 2030.

"O Ronaldo vai receber mais de 200 milhões de euros pelo negócio", disse fonte próxima do Al-Nassr que solicitou o anonimato. "Ele será um embaixador para o Mundial da Arábia Saudita de 2030 por mais 200 milhões".

A Arábia Saudita, juntamente com o Egito e a Grécia, está a considerar uma candidatura para acolher o torneio em 2030. O papel de Cristiano Ronaldo pode ser essencial neste objetivo, uma vez que o jogador é de longe o nome mais sonante a jogar no campeonato do país.

O negócio vantajoso para ambas as partes pode acabar por afetar uma terceira parte, esta muito próxima a Ronaldo. É que Portugal, em conjunto com Espanha e Ucrânia, também está na luta para ser anfitrião do Mundial 2030. Desta forma, e a ser verdade, o capitão da seleção portuguesa será o rosto da candidatura adversária à portuguesa.

Portugal e Espanha anunciaram, inicialmente, uma candidatura conjunta, mas em outubro do ano passado a Ucrânia juntou-se ao grupo e foi anunciada esta candidatura em nome da paz, tendo em conta a situação atual dos ucranianos, que há quase um ano foram invadidos pela Rússia.

A mesma fonte acabou por revelar também que todo este dinheiro envolvido no contrato de Cristiano Ronaldo não tem como origem o clube, mas sim a família real do país.

"Eles queriam conceder a supremacia ao seu clube e colocá-lo no centro das atenções internacionais. A melhor maneira era trazer o melhor jogador do mundo. O Al-Nassr e os outros clubes sauditas não têm dinheiro para um negócio tão grande”, afirmou.