Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Ten Hag furioso por Cristiano Ronaldo ter deixado Old Trafford antes do fim do jogo com o Rayo: “Não aprovo isto. É inaceitável”

O treinador do Manchester United criticou a atitude dos vários jogadores que saíram do estádio depois de serem substituídos do jogo de preparação com a equipa espanhola, depois do clube frisar que não havia caso. Um deles foi Cristiano Ronaldo, cuja continuidade em Old Trafford continua a ser uma incógnita

Expresso

Jan Kruger/Getty

Partilhar

O treinador do Manchester United, Erik ten Hag, mostrou-se furioso com Cristiano Ronaldo, depois de o internacional português, substituído ao intervalo no jogo de regresso a Old Trafford, ter deixado o estádio antes do final da partida. O técnico neerlandês não hesitou em classificar a atitude como “inaceitável”.

Ao contrário de ten Hag, o clube declarou publicamente que não teve qualquer problema com o facto de Ronaldo ter deixado mais cedo o recinto do jogo com o Rayo Vallecano. O facto de a questão ter surgido no meio do nevoeiro quanto ao futuro do capitão de Portugal nos red devils deverá ter empolado o problema, uma vez que, segundo o “Daily Mail”, o português não foi o único atleta a deixar precocemente o estádio no domingo.

Sobre o incidente, Erik ten Hag disse ao canal neerlandês Viaplay: “Muitos jogadores saíram mais cedo. Certamente não aprovo isto. É inaceitável. Para todos. Somos uma equipa e temos de ficar até ao fim”. O caso de Ronaldo é analisado à margem dos outros, após uma pré-época quente, com o português a insistir no desejo de jogar a Liga dos Campeões, algo que o Manchester United não lhe pode oferecer, por ir competir na Liga Europa. Por seu lado, o clube insiste que o craque de 37 anos não está à venda.

Segundo o “Daily Mail”, o antigo adjunto de Ralf Rangnick, Chris Armas, já aconselhou Erik ten Hag a fazer tudo para assegurar que Cristiano Ronaldo permanece em Old Trafford. O norte-americano disse: “Ele faz parte da equipa e é alguém que produz. Era minha função perceber como conseguir conciliar todo aquele talento e todo aquele fogo e experiência ganhadora e desafiá-lo o máximo que conseguisse”.

Armas prosseguiu: “Penso que o mais importante é criar uma ligação com o Cristiano. Ele tem tanto para dar, o compromisso com as vitórias e os golos. Cada pessoa tem o seu tipo diferente de liderança. Ele pode certamente ser um líder à sua maneira e o meu objetivo, como o de todos, era ‘como posso tirar o máximo do Cristiano?’. (…) É falar com ele, levá-lo ao gabinete, fazer-lhe perguntas. Ele faz parte da solução e do sucesso”.