Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

O presidente diz-se “em dívida”, Xavi pede o seu regresso: a história entre Messi e o Barcelona está longe de ter terminado

Joan Laporta diz que é responsabilidade do Barcelona que a porta do clube "continue aberta" que a história "tenha um final muito mais esplendoroso do que aconteceu". Na Catalunha diz-se que Xavi quer que o argentino regresse à equipa em 2023, quando termina o contrato com o PSG. Aparece ainda a hipótese MLS, mas em Camp Nou todos parecem acreditar que Messi ainda vai um dia regressar

Carlos Luís Ramalhão

David Ramos/Getty

Partilhar

O presidente do Barcelona, Joan Laporta, reconheceu o desejo de ter de volta o mais querido dos filhos da casa: Lionel Messi. O dirigente espera que o argentino, cuja carreira no PSG não tem corrido como se esperava, não tenha ainda terminado a sua história de amor com o Barça e abre a porta a um regresso.

“Sinto-me em dívida para com Messi”, disse o catalão à ESPN, completando: “É nossa responsabilidade conseguir que [a história] continue aberta e tenha um final muito mais esplendoroso do que aconteceu”. O presidente do clube considerou que o argentino é “possivelmente o melhor jogador da história do FC Barcelona, o mais eficiente, apenas comparável a Johan Cruyff”.

Laporta lamentou a forma como Messi saiu do clube, culpando por isso a anterior direção, que deixou os catalães com graves problemas financeiros. “Teria que acontecer, algum dia. Tivemos de tomar uma decisão como consequência do legado que tínhamos recebido. A instituição está acima dos jogadores e treinadores. Como presidente do Barça, penso que fiz o que tinha de fazer, mas a nível pessoal e também como presidente, considero-me em dívida para com ele”, admitiu.

Depois de alguns sustos financeiros, o dirigente máximo do Barcelona tenta sanear a situação com a ativação das alavancas económicas. A direção de Laporta conseguiu arrecadar cerca de 650 milhões de euros com a venda de 25% dos direitos televisivos à empresa Sixth Street durante 25 anos. “O clube está melhor porque devolvemos 100 milhões de crédito e voltámos a estar de boa saúde, mas temos de trabalhar para conseguir mais lucros e que não provenham da venda de ativos”, explicou Laporta.

Segundo anunciou o jornal “Sport”, no domingo, também o treinador Xavi Hernández terá pedido um regresso de Leo Messi ao Barcelona para a temporada 2023/24. Lembre-se que o agora técnico do Barça foi companheiro de equipa do argentino numa mítica equipa orientada por Pep Guardiola. Em maio passado, também o pai de Lionel mostrou o desejo de voltar a ver o filho com a camisola blaugrana.

Apesar da ligação afetiva evidente ao clube catalão, onde fez grande parte da formação, Messi já tinha tentado deixar o Barcelona, antes de rumar a Paris. A primeira dessas ocasiões terá acontecido devido a problemas entre o jogador e o então presidente Josep Maria Bartomeu. O argentino acabaria manter-se no clube, mas na época passada rumou ao PSG para ajudar a reduzir o passivo do Barça.

Leo Messi tem contrato com o PSG até 2023. Entre a continuidade em Paris e o regresso à Catalunha, há quem avance outras possibilidades. O canal argentino Direct TV noticiou em maio a hipótese de Messi adquirir 35% do Inter Miami, o clube da MLS cujo dono é David Beckham, para lá jogar em 2023, ingressando a custo zero na equipa da Flórida.

Em 2021/22, apesar de ter ajudado o PSG a reconquistar a Ligue 1, Messi ficou muito abaixo do que seria esperado de um dos melhores futebolistas de sempre. Em 33 jogos disputados, o avançado marcou 11 golos e fez 13 assistências. Os parisienses falharam ainda (e novamente) e objetivo da Champions.