Tribuna Expresso

Perfil

Expresso
Tomás da Cunha

Tomás da Cunha

Analista e comentador de futebol

Caros, velhos e feios: a liga portuguesa e o desprezo pela contratação interna

O analista e comentador Tomás da Cunha escreve sobre um país em que é mais fácil adorar um jovem colombiano ou croata que tem uns highlights pomposos do que um português de Famalicão ou de Braga e de como os adeptos nacionais olham injustamente para os jogadores da liga como maus negócios

Tomás da Cunha

Quality Sport Images/Getty

Partilhar

Já que não há bola a rolar, precisamos de falar de um fenómeno que se repete ano após ano: o desprezo pela contratação interna e o esforço para encontrar defeitos. Na perspectiva de adepto, é mais fácil adorar um jovem colombiano ou croata que tem uns highlights pomposos do que um português de Famalicão ou de Braga. O encanto pelo desconhecido faz parte da silly season, mas cria uma desconfiança exagerada no reforço que já está cá dentro.

Pedro Gonçalves, disse-se na altura, chegava ao Sporting por um valor altamente excessivo. Ugarte também. Quando for transferido por muitos milhões, a visão negocial passará a ser excelente. Ricardo Horta junta o pior dos dois mundos: não é apenas caro, também já vai para velho porque não dá para o vender mais tarde. Todos sabemos que o futebol português precisa de exportar talento e que as finanças não sobrevivem sem esses encaixes financeiros, mas a cantiga do clube-empresa já está demasiado entranhada no adepto. Até agosto, quando os golos e as vitórias começarem a contar, o rendimento desportivo parece um extra na lógica de mercado.

O jogador caro é o jogador que não corresponde dentro de campo. Há clubes vendedores que consideram ter ficado a ganhar no momento da transferência, mas isso pode mudar facilmente. Além disso, em muitos casos a convicção para trazer um determinado alvo – mesmo que seja por um preço “inflacionado” - que encaixe nas ideias do treinador ajuda a aumentar o aproveitamento. Veja-se os exemplos de van Dijk e Alisson, no Liverpool, para se ficar com uma ideia de como a avaliação na altura da compra pode ser mentirosa.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • La Scaloneta e a última dança de Messi e Di María
    Expresso

    O comentador e analista Tomás da Cunha disseca a Argentina de Scaloni, o treinador que conseguiu recuperar a essência do “toco y me voy” (uma tabela, se quisermos definir à portuguesa), tão característica da cultura futbolera do país sul-americano, e alavancar uma equipa que está em verdadeira comunhão coletiva com a sua estrela, Lionel Messi, que terá no Catar talvez a última oportunidade de jogar um Mundial ainda no auge

  • Porto 2.0 e o triunfo do talento
    Expresso

    O Porto do ataque à profundidade e da procura pelo jogo exterior deu lugar a um Porto mais criativo no corredor central, escreve Tomás da Cunha, ao analisar a época do novo campeão nacional. Sem convencer propriamente pela segurança da organização defensiva, a equipa recuperou o título e — se o mercado deixar — criou bases para crescer desportivamente nos próximos anos. É o triunfo do talento dos jogadores e de um treinador que, finalmente, acreditou nele. Ganhou o Porto