Tribuna Expresso

Perfil

Expresso
Duarte Gomes

Duarte Gomes

ex-árbitro de futebol

Benzema marcou um golo na final da Champions após a bola ser tocada por dois adversários. Foi anulado por fora-de-jogo, mas porquê?

Mesmo antes do intervalo, Karim Benzema marcou, na área, depois de a bola tocar em dois jogadores do Liverpool já depois de ser desviada por Valverde, do Real Madrid. O VAR demoraria a decidir, mas anulou-lhe o golo por considerar ambos os toques não intencionais, explica Duarte Gomes. O antigo árbitro discorda da decisão, lembrando como tudo isto "é muito complicado" e "suscetível de ter outras leituras". Como não amar o futebol?

Duarte Gomes

ANP

Partilhar

O lance do golo anulado a Benzema é um hino à dificuldade de análise que o futebol pode proporcionar. Momento absolutamente "diabólico" para qualquer equipa de arbitragem, tal o conjunto de variáveis ali em jogo.

Compreendo os que defendem a "teoria da simplificação", procurando respostas factuais, claras e imediatas para todas as situações de jogo. A questão é que o futebol não é uma ciência exata e há lances (como este) que são tudo menos claros e inequívocos.

Convém perceber que o futebol moderno vale mais do que um mero resultado para o totobola. Hoje, um só golo pode impactar diretamente numa renovação, rescisão ou carreira. Pode significar prestígio ou humilhação, reconhecimento ou derrota, milhões ou tostões. É preciso aplicar as regras com sensatez, acerto e certezas.

A ANÁLISE TÉCNICA

Acompanhem-me no raciocínio, passo a passo:

1 — A bola tocada por Benzema foi intercetada pelo pé direito de Konaté, viajou para o corpo de Allison (no solo, após tentar a mancha) e ressaltou ligeiramente para a frente;

2 — A única grande dúvida ocorreu precisamente aí: terá sido Valverde quem tocou na bola ao tentar rematar ou foi o pé direito de Fabinho, que chegou primeiro? Pior... será que a bola foi tocada, na dividida, pelos pés de ambos em simultâneo? Nenhuma imagem o esclareceu cabalmente, o que legitima qualquer interpretação possível;

3 — Porque é que é muito relevante saber se foi Valverde quem tocou na bola? Porque seria aí que se definiria eventual infração ao fora de jogo: o "momento do passe".

Benzema estava, de facto, adiantado (só tinha um defensor entre si e a linha de baliza adversária), mas se aquele toque fosse apenas de Fabinho, nunca haveria irregularidade: na prática, teria sido o francês o último atacante a tocar na bola antes dela regressar a si próprio. Percebem?

4 — O certo é que, depois desse toque (?), Konaté voltou a tocar na bola com o pé direito e essa foi a seguir jogada pelo joelho esquerdo de Fabinho, que se fizera ao lance, em carrinho deslizante. A seguir voou na direção de Benzema, que marcou.

Reparem no circuito cronológico da jogada:

— Passe de Benzema;
— Bola no pé esquerdo de Konaté;
— Bola no corpo de Allison;
— Pé de Fabinho, de Valverde ou de ambos (?);
— De novo pé de Konaté;
— Joelho esquerdo de Fabinho;
— Benzema, golo.

É muita complicação, não é?

O que motivou a decisão do árbitro assistente, validada demoradamente pelo VAR (coisa rara na UEFA), foi a interpretação de que Valverde tocou mesmo na bola e que todos os toques posteriores — de Konaté e Fabinho — foram uma "defesa" e um "ressalto", respetivamente.

Ou seja, no momento do alegado toque do avançado espanhol, Benzema estava offside e tudo o que aconteceu depois não foram toques deliberados, portanto fora de jogo.

Angel Martinez - UEFA

Compreendo a interpretação, mas discordo e explico-vos porquê:

1. É muito raro anular-se um golo por fora de jogo depois da bola tocar, ser jogada, ressaltar ou ser defendida por tantos defesas (no caso Konaté, Allison, Fabinho (?), Konaté de novo e Fabinho mais uma vez). Pode acontecer, mas seria muito estranho se, após tanta interação da bola com os defesas, nenhum dos contactos fosse interpretado como "deliberado".

2. Partindo do princípio que foi mesmo Valverde a tocar na bola (muitas dúvidas mesmo), a grande questão aqui é saber se o último toque é dado na direção de Benzema — o do joelho esquerdo de Fabinho — foi deliberado ou mero ressalto.

Eu acho que foi deliberado.

A CONCLUSÃO

Fabinho não estava em posição de "defesa" da sua baliza, mas virado de frente para ela. O brasileiro escolheu abordar o lance, optou por fazer-se à jogada e esticou deliberadamente o corpo/joelho na direção da bola.

Haver "ressalto" pressupõe uma espécie de tabela involuntária num corpo estático, que nada faz para disputar um lance. Há ressalto quando uma bola bate na cara, na perna, no braço ou nas costas sem que o atleta tenha feito qualquer gesto nesse sentido.

Repito: Fabinho, de frente para a sua baliza, optou por abordar o lance e por meter lá o pé, o corpo e o joelho. Houve movimento ativo na direção da jogada. O seu tackle foi voluntário.

O joelho esquerdo do jogador do Liverpool arrastou ostensivamente no solo e foi na direção da bola, seguindo daí para Benzema. Isso qualifica um "passe deliberado", não um ressalto inadvertido.

Golo mal anulado, em lance — convém repetir até à exaustão — suscetível de ter outras leituras.

Como não amar o futebol?

  • Não acreditem nos jogadores do Real Madrid, eles são os Pinóquios do futebol
    Expresso

    Pela 14.ª vez, os adeptos do Real Madrid engoliram a canção "We Are the Champions", gritando-lhe o refrão numa final da Liga dos Campeões. Os merengues ganharam ao Liverpool por 1-0 e prevaleceram, mais uma vez, num jogo em que não tiveram mais bola, não criaram mais oportunidades, nem foram superiores no jogo jogado. Os seus jogadores acabaram por ser, de novo, dos mais mentirosos que o futebol tem e, talvez, os mais enganadores que este já teve