Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

“Parte um irmão, um homem bom. Além de ser um grande profissional e um génio como jogador, como homem, não há palavras”

Álvaro Magalhães prestou um depoimento à Tribuna Expresso sobre o seu "irmão" Chalana, que partiu na madrugada desta quarta-feira, aos 63 anos

Alexandra Simões de Abreu

Partilhar

"Faleceu um irmão. O que hei-de dizer sobre o meu querido irmão…O Chalana era meu amigo dentro e fora do campo, é um homem que me marca. Formamos a melhor ala esquerda, pelo menos na década de 80, do futebol porutugês. Estivemos juntos tanta vez, nos estágios, em campo e fora do futebol. É um homem bom que parte. Além de ser um grande profissional e um génio como jogador, como homem, não há palavras. O Chalana, juntamente com o Eusébio e o Ronaldo são, para mim, os três melhores jogadores portugueses do mundo.

Quando cheguei ao Benfica ele já lá estava e ajudou-me muito. Tinha mais dois anos que eu.

A maior recordação que guardo são coisas que fizemos e falamos e que ficam só entre nós. Foi um privilégio conviver com ele dentro do balneário do Benfica, da seleção nacional e cá fora.

Vou partilhar uma coisa pela primeira vez: quando não joguei aquela 2ª mão da Taça UEFA, antes do jogo ele disse-me só isto: 'Álvaro, daqui a meia hora já estou cá fora. Porque é que tu não vais jogar a 2.ª mão? Eu gosto da tua presença em campo, nós formamos a melhor ala esquerda do futebol português'. Eu fiquei no banco e não é que passado meia hora ele saiu? Foi substituído.

Antes dos jogos combinávamos o que fazer. Ele quando tinha a bola fazia-me logo sinal com a mão: “arranca, passa por mim, que eu coloco a bola”. Nós tínhamos coisas que só nós dois, jogávamos praticamente de olhos fechados. Quando ele tinha a bola já sabia que eu ia arrancar para recebê-la lá na frente. Ele era tecnicamente muito evoluído, fazia coisas incríveis.

Na parte final, ele tinha alguns problemas e no quarto desabafava muito comigo. São coisas que ficam para a vida.

Parte um irmão que vai deixar saudades."

  • “Aqueles homenzinhos de bigode”
    Euro 2020

    O escritor leva-nos até 1984 no Dejà Vu desta semana: “Reinavam a desorganização e o amadorismo e a Federação Portuguesa de Futebol não se distinguia dos grupos de excursionistas que, aos fins de semana, iam ver as amendoeiras em flor e os tapetes de Arraiolos. Se se distinguia, era para pior.”

  • Morreu Fernando Chalana, o pequeno genial que era destro e parecia canhoto
    Benfica

    É uma das glórias do futebol português. Fernando Chalana tinha 63 anos e a notícia foi dada pelo Benfica, que representou durante 13 épocas e pelo qual foi, na altura, o mais jovem de sempre a estrear-se. Fez 311 jogos e conquistou seis títulos de campeão nacional pelo clube da Luz e brilhou pela seleção nacional no Europeu de 1984, em França, onde o farto bigode lhe cunhou a alcunha de "Chalanix"