Tribuna Expresso

Perfil

Benfica

Jesus reuniu-se com Flamengo, Benfica nega interesse do treinador em regressar ao Brasil “nesta altura”

O treinador do Benfica reuniu-se com representantes do Flamengo, na noite de terça-feira, a quem deu conta a intenção de regressar ao Brasil. Tendo contrato até ao final desta época, apurou a Tribuna Expresso, Jorge Jesus quer ditar a sua própria saída. Depois de o adjunto João de Deus dizer que JJ quer cumprir o contrato, o clube da Luz disse que o treinador "não deseja voltar ao Brasil, mas sim voltar a ser campeão pelo Benfica". Uma eventual rescisão custaria €6 milhões, mas Jesus não é o único treinador português que já foi sondado pelo Flamengo

Diogo Pombo e Pedro Candeias

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

“Agora sou eu a escolher os clubes que quero treinar, não são os clubes que me escolhem”.

A frase transpirava assertividade, mas, em novembro, ainda não cheirava a premonição quando Jorge Jesus a disse, em entrevista ao jornal “A Bola” e a dias de fazer o check nos 600 jogos feitos na primeira divisão do futebol português. “Portugal não é o meu único mercado”, redundou também o treinador, como que reavivando a aventura recente no Brasil que voltou, em força, para reanimar namoros com o Flamengo que não são de agora.

O vice-presidente do clube do Rio de Janeiro e o diretor-executivo, Bruno Spindel, vieram a Lisboa, esta semana, para se reunirem com Jesus. O encontro aconteceu na noite de terça-feira, segundo avançaram a "CNN" e o "MaisFutebol", e, do troca-palavra, teria ficado a garantia dada pelo treinador português de querer regressar ao Flamengo e, possivelmente, já em janeiro, segundo fonte próxima do processo ouvida pela Tribuna Expresso.

Ao início da tarde desta quarta-feira, devido à suspensão imposta pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol a Jorge Jesus, João de Deus falou na conferência de imprensa de antevisão ao FC Porto-Benfica. O adjunto de JJ começou por quase falar em nome do treinador, confirmando o encontro do dia anterior com responsáveis do Flamengo, mas negando qualquer intenção de rumar, "neste momento", ao Brasil: "O mister disse que não pode e não quer abandonar o Benfica. Há um contrato para cumprir, ele quer cumprir".

Pouco depois e em comunicado, o clube revelou ser "manifestamente falso e descabido" que Jorge Jesus "tenha demonstrado qualquer vontade de regressar ao Brasil nesta altura", acrescentando que Jesus "não deseja voltar ao Brasil, mas sim voltar a ser campeão pelo Sport Lisboa e Benfica".

A explicação para uma intenção de Jorge Jesus regressar ao Flamengo estaria numa confluência de fatores.

O contrato de Jorge Jesus com o Benfica vai até ao final de junho de 2022 e o técnico teria percebido que, da parte do clube, não haveria intenção de prolongar a ligação; o que vai desembocar na frase proferida há coisa de um mês pelo treinador e no intenso sucesso que viveu no Flamengo, onde, entre 2019 e 2020, conquistou o campeonato brasileiro, o carioca, a Copa dos Libertadores, a Recopa Sul-Americano e a Supertaça do Brasil antes de Luís Filipe Vieira o ir buscar ao Rio de Janeiro, com um avião fretado.

Nesse verão, o Benfica pagou um milhão de euros relativos à cláusula de rescisão do contrato do treinador com o Flamengo. Se o clube brasileiro quiser fazer JJ retornar antes do fim do atual vínculo com o Benfica, terá de pagar cerca de €6 milhões. Eventuais negociações com o clube só deverão acontecer após os clássicos com o FC Porto — esta quinta-feira, para a Taça de Portugal, e a 30 de dezembro, para o campeonato.

Mira nos portugueses

Desde a epopeia conquistadora do clube com Jorge Jesus que, de vez em quando, os adeptos reunidos no Maracanã ainda se unem no cântico inventado para o técnico, ecoando o "mister, mister" pelo estádio: a designação colou por ser comum em Portugal, mas rara no Brasil para ser usada por jogadores no trato com o treinador.

As intermitências da língua portuguesa colaram esse legado, mas Jorge Jesus não é o único nascido do lado europeu do Atlântico a ser contactado pelo Flamengo, ou pelo menos alguém que o represente. A Tribuna Expresso sabe que os representantes de Rui Vitória foram abordados por dirigentes do clube brasileiro, tendo o mesmo acontecido com Paulo Sousa.

O primeiro rescindiu com o Spartak de Moscovo a 15 de dezembro e, neste momento, está a avaliar várias hipóteses que tem para seguir com a sua carreira; o segundo é o selecionador da Polónia desde janeiro, equipa com a qual participou no último Europeu.

(notícia atualizada às 15h12.)