Tribuna Expresso

Perfil

Atualidade

Justiça russa pede nove anos e meio de prisão para Brittney Griner

O procurador russo considera que "ficou provada a culpa" da basquetebolista e bicampeã olímpica americana, que está a ser acusada de tráfico de droga no país. Britney Griner foi detida na Rússia a 17 de fevereiro por ter óleos canabinóides, vaporizadores e outros produtos na sua bagagem

Lusa

KIRILL KUDRYAVTSEV/Getty

Partilhar

O ministério público russo pediu, esta quinta-feira, uma pena de prisão de nove anos e meio para a basquetebolista norte-americana Brittney Griner, detida desde fevereiro na Rússia por alegado tráfico de drogas.

“A acusação considera que ficou provada a culpa de Brittney Griner”, afirmou o procurador Nikolai Vlasenko, pedindo também que a jogadora seja condenada ao pagamento de uma multa de um milhão de rublos (cerca de 16.000 euros).

A legislação russa prevê uma pena máxima de 10 anos de prisão para o crime do qual Brittney Griner, que ainda hoje deverá ter oportunidade de falar no tribunal de Jimki, na região de Moscovo, é acusada.

A defesa da basquetebolista norte-americana, duas vezes campeã olímpica (Rio 2016 e Tóquio 2020) e uma das principais figuras da Liga norte-americana de basquetebol (WNBA), pediu a absolvição.

Griner, que representa alternadamente a equipa norte-americana Phoenix Mercury e a russa Ecaterimburgo, conforme o calendário dos campeonatos, foi detida em 17 de fevereiro, num aeroporto em Moscovo, após terem sido detetados óleos canabinóides, vaporizadores e outros produtos na sua bagagem, segundo as autoridades locais.

A prisão de Griner ocorreu numa altura em que se agravaram as relações entre Washington e Moscovo por causa da nova invasão da Ucrânia por parte da Rússia, em 24 de fevereiro.

Griner afirmou perante o tribunal que não sabe como os frascos com óleo de canábis surgiram na própria bagagem acrescentando, no entanto, que tem uma receita médica que lhe permite o uso de canábis para efeitos de saúde por causa de dores provocadas pelo exercício físico como atleta.

A jogadora de basquetebol, de 31 anos, considerou-se culpada mas disse que não tinha qualquer intenção criminosa em fazer entrar o óleo de canábis na Rússia durante a temporada em que devia jogar na liga de basquetebol da Rússia.

A Administração norte-americana tem sido alvo de fortes pressões nos Estados Unidos para conseguir a libertação de Griner, assim como de outros cidadãos dos Estados Unidos que estão "erradamente detidos" na Rússia.