Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Três anos depois, Nick Kyrgios voltou a vencer um torneio e fala da “transformação incrível” que tem sido esta temporada

Depois de ter sido finalista de Wimbledon, onde caiu aos pés de Novak Djokovic, o controverso australiano de 27 anos quebrou em Washington DC um jejum que parecia interminável. Kyrgios admitiu que nos últimos anos esteve em "lugares mesmo escuros", mas que uma força grande lhe permitiu voltar às luzes

Expresso

The Washington Post/Getty

Partilhar

Apesar da presença na final de Wimbledon, só no domingo Kyrgios quebrou o jejum de títulos com três anos. Aconteceu na cidade de Washington, no Citi Open. O australiano de 27 anos venceu o japonês Yoshihito Nishioka por 6-4 e 6-3 e a vitória exerceu no controverso atleta uma reflexão sobre a “transformação incrível” por que tem passado.

“Ver onde eu estava o ano passado e onde estou agora, é uma incrível transformação”, desabafou o tenista, citado pela BBC. Esse fenómeno fez com que vencesse o sétimo título da sua carreira e, com isso, subisse do 63º para o 37º lugar do ranking ATP. Há três anos, Kyrgios tinha vencido o mesmo torneio.

Nick admitiu ainda que esteve em “lugares mesmo escuros” e prosseguiu: “Há tanta gente que me ajudou a chegar lá. Mas eu mostrei uma força grande para continuar e perseverar e ultrapassar todas essas ocasiões para ainda ser capaz de jogar e vencer torneios como este”. Kyrgios estará de volta aos courts na próxima segunda-feira, desta vez na final de pares, ao lado do americano Jack Sock.

  • Apesar do bromance, o sábio Djokovic castigou o caos de Kyrgios na final de Wimbledon
    Ténis

    Novak Djokovic conquistou pela sétima vez o torneio de Wimbledon, igualando Pete Sampras e William Renshaw, ficando apenas a um triunfo de Roger Federer. O sérvio somou ainda o 21.º major da carreira, encurtando a distância para Rafael Nadal (22), que abandonou o torneio por lesão. Depois do jogo, Djoko confirmou o " bromance" com o adversário e o australiano chamou-lhe "quase deus"

  • Kyrgios, o sublime rufia
    Crónica

    O escritor Bruno Vieira Amaral discorre sobre um dos acontecimentos desportivos do fim de semana: a batalha de nervos entre Nick Kyrgios, o incorrigível australiano, e Stefanos Tsitsipas na relva de Wimbledon e de como o "bad boy" Kyrgios ganhou a batalha mental ao grego, manobrando-o "como se estivesse a controlá-lo com um comando de Playstation"

  • Nick Krygios, afinal, sente o ténis. Porque odeia perder
    Ténis

    O australiano já partiu raquetes, mandou calar adeptos, perdeu pontos de propósito e até admitiu preferir a NBA ao ténis, mas talvez tenha mudado: Stefanos Tsitsipas contou que "ficou em choque" quando perdeu, em pares, com Krygios e o viu a ficar "frustrado e desiludido" com a derrota

  • Nick Kyrgios já não é um bad boy
    Ténis

    Refila com árbitros, insulta jogadores, às vezes até o público, é multado por mau comportamento e já foi criticado por Nadal e Djokovic. Tornou-se normal ouvir o tenista ser apupado pela sua atitude, mas, desde que se preocupou mais em ajudar a combater os incêndios na Austrália do que, propriamente, a ganhar nos courts, a perceção pública de Nick Kyrgios parece estar a mudar