Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Antigo ministro britânico não aprova o treinador russo de Raducanu: “Será uma verdadeira vergonha se a Emma avançar com isto”

A história de Emma Raducanu e a sua busca por um treinador chega a um novo capítulo. O mais polémico até hoje. A tenista britânica pretende trabalhar com o treinador russo Dmitry Tursunov para se preparar para o Open dos Estados Unidos, mas as questões políticas que separam o Reino Unido e a Rússia foram colocadas em cima da mesa das decisões

Rita Meireles

Frey/TPN

Partilhar

O desafio de encontrar o treinador ideal continua para Emma Raducanu. A um mês de iniciar a defesa pelo título de campeã do Open dos Estados Unidos, a britânica começou a treinar com o russo Dmitry Tursunov. Se esta será uma relação profissional mais longa que as anteriores, não se sabe. O que se sabe é que é das mais polémicas desde o primeiro minuto.

A jovem de 19 anos foi encorajada a abandonar os planos de se juntar ao novo treinador por Chris Bryant, membro do parlamento do Reino Unido. Em causa está o facto de Tursunov ser russo e o deputado acreditar que a tenista será utilizada como instrumento de propaganda por Vladimir Putin, presidente da Rússia.

"O Kremlin vai retratar isto como um golpe de relações públicas e uma indicação de que o Reino Unido não se preocupa realmente com a guerra na Ucrânia, por isso será uma verdadeira vergonha se a Emma avançar com isto", disse Bryant, que já exerceu o cargo de ministro dos negócios estrangeiros, ao “Telegraph Sport”.

O mesmo jornal avançou que Tursunov foi um dos que evitou ter de assinar uma declaração onde denunciava a invasão russa na Ucrânia pouco antes do torneio de Wimbledon, sendo que qualquer treinador russo ou bielorrusso que desejasse ter acesso aos eventos realizados no Reino Unido tinha de o fazer. Nessa altura, foi anunciada a decisão da tenista Anett Kontaveit de deixar de trabalhar com o russo.

“A razão é que, uma vez que ele tem um passaporte russo, é muito difícil para ele obter vistos neste momento, o que significa que não me pode acompanhar a muitos torneios. Continuo a sentir que preciso de um treinador que me possa acompanhar e que não tenha tantos problemas práticos”, explicou Kontaveit à emissora ERR.

A Lawn Tennis Association, que ajudou a financiar a carreira de Raducanu, recusou-se a comentar a decisão da tenista. Mas para Julian Knight, também ele deputado, “espera-se que a LTA mostre alguma liderança nesta matéria e seja capaz de aconselhar a Emma sobre qual é a melhor linha de ação", disse ao jornal britânico. De recordar que os jogadores russos e bielorrussos foram banidos dos torneios de Wimbledon e da LTA este verão.

Tursunov nasceu em Moscovo, mas passou grande parte da sua vida nos Estados Unidos. Começou a carreira como jogador, mas desde que se reformou, em 2017, tem tido bastante sucesso como treinador de tenistas como Kontaveit, que com ele chegou ao top 5 mundial. Ainda assim, o seu estilo de treino tem sido questionado por muitos.

Raducanu não tem um treinador a tempo inteiro desde abril, altura em que se separou de Torben Beltz. Desde então, optou por trabalhar com várias pessoas durante períodos mais curtos, como Louis Cayer, Iain Bates e Jane O’Donoghue.