Tribuna Expresso

Perfil

Ténis

Quatro homens vestiram t-shirts a perguntar “Onde está Peng Shuai?” em Wimbledon e foram interpelados pela segurança do torneio

Os manifestantes limitavam-se a usar t-shirts com a pergunta relativa à tenista chinesa, antiga campeã de pares em Wimbledon, e que desapareceu da ribalta depois de ter acusado um militar chinês de assédio sexual, em novembro de 2021. Entretanto, a organização do torneio já desvalorizou o incidente que, aparentemente, não teve consequências

Expresso

WILLIAM WEST/Getty

Partilhar

Quatro manifestantes que envergavam t-shirts com a pergunta “Onde está Peng Shuai?” foram abordados por agentes da segurança de Wimbledon. O grupo terá chegado ao All England Club na segunda-feira de manhã, mas, de acordo com a "BBC", os seus elementos terão vestido as t-shirts apenas quando já se encontravam dentro do recinto. Um porta-voz da organização confirmou que “quatro espetadores foram abordados pela segurança” junto ao court um.

Peng Shuai venceu uma final de pares em Wimbledon, em 2013, desapareceu no ano passado, depois de ter acusado Zhang Gaoli, um antigo vice-primeiro-ministro chinês, de assédio sexual em novembro de 2021. A tenista apareceu mais tarde, nos meios de comunicação estatais, mas vários observadores registaram que a tenista, de 36 anos, parecia estar a ser forçada a prestar declarações.

Um dos manifestantes, Will Hoyles, de 39 anos, trabalha para a organização Free Tibet. “Viemos dar alguma notoriedade, mas Wimbledon conseguiu piorar as coisas para eles ao questionar-nos”, disse Hoyles, que explicou: “Fizeram muitas perguntas sobre o que iríamos fazer, por que estávamos lá, o que já tínhamos feito, etc. Nós dissemos-lhes que só tínhamos andado por ali e falado com algumas pessoas e foi aí que eles começaram a parecer desconfiados”.

Outro dos elementos do grupo, Jason Leith, de 34 anos, fez questão de lembrar: “Estamos a banir jogadores russos e bielorrussos que até falaram contra a guerra, mas depois há estes abusos dos direitos humanos por parte do Partido Comunista Chinês e isso não tem mal. É um padrão duplo. Não me parece que faça sentido”.

“Isto é Wimbledon e ela [Peng Shuai] é uma antiga campeã de Wimbledon e se há algum sítio onde falar sobre isto e trazer de novo a discussão a público é este”, acrescentou o manifestante.

Os organizadores do torneio fizeram questão de dizer que o grupo não sofreu qualquer tipo de censura: “Estes indivíduos estão agora a desfrutar do seu dia connosco e continuam a poder usar as suas t-shirts”. “Tal como muitas pessoas do ténis e à volta do mundo, em geral, continuamos a estar muito preocupados com Peng Shuai e a apoiar os esforços da WTA”, completou o porta-voz do All England Club.

De acordo com o “The Guardian”, a publicação em vídeo dos manifestantes nas redes sociais, dizendo que tinham sido interpelados, fez com que a nove vezes campeã de Wimbledon, Martina Navratilova, expressasse o seu protesto. “O quê? Não podem falar?!? O que é isto? Isso é o que a Rússia e a China fariam, certo? Mas o Reino Unido? Hmm”, escreveu a lenda do ténis.