Tribuna Expresso

Perfil

Seleções

Portugal deixou escapar o título europeu de futsal feminino, mas o selecionador nacional não tem dúvidas: “Fomos superiores”

Portugal perdeu nos penáltis frente a uma Espanha que se tornou bicampeã da Europa de futsal feminino. Luís Conceição lamentou o desperdício de três livres de 10 metros. O primeiro-ministro António Costa aplaudiu as jogadoras portuguesas

Expresso

MANUEL FERNANDO ARAUJO/EPA

Partilhar

A seleção nacional feminina de futsal até esteve a ganhar, mas acabou por perder nos penáltis frente à agora bicampeã europeia, a Espanha. No final do jogo, disputado em Gondomar, o selecionador Luís Conceição mostrava-se desiludido com o resultado, principalmente porque as portuguesas desperdiçaram oportunidades flagrantes: “Tínhamos de ter feito um golinho naqueles três livres de 10 metros”.

“Fomos superiores, chegámos ao 2-0, mas a Espanha fez o 2-1 mesmo a terminar a primeira parte. Já sabíamos que a Espanha iria entrar muito forte na segunda parte e pressionar muito. (…) Ainda conseguimos ir buscar o empate a jogar ‘cinco para quatro’ [sem guarda-redes], mas depois a lotaria dos penáltis caiu para [o lado da] Espanha. (…) Mas foi um grande espectáculo e deixámos uma imagem que me deixa orgulhoso”, disse Luís Conceição aos jornalistas.

Já a treinadora espanhola Cláudia Pons admitiu que a sua equipa acabou por ser a mais afortunada: “Não entrámos bem, estávamos muito nervosas. Portugal começou muito forte, mas, na segunda parte, mostrámos a nossa melhor face. A sorte esteve do nosso lado nos penáltis, mas claramente merecemos ser campeãs da Europa”.

Também o primeiro-ministro António Costa e a ministra-adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, reagiram à participação de Portugal na final do Europeu. “Um forte aplauso para a seleção portuguesa de futsal feminino pela forma como lutou até ao fim na final do Europeu, disputada hoje em Gondomar. (…) A garra e a determinação em campo das nossas vice-campeãs enchem-nos de orgulho”, escreveu Costa no Twitter. Ana Catarina Mendes recorreu à definição de “heroínas” e acrescentou: “Mereciam [a taça], conquistaram a nossa admiração”.

Por fim, Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, afirmou que “não deixa de ser um novo momento de afirmação do desporto feminino, numa sociedade em que a igualdade ainda tem caminho por fazer e para o qual a federação continuará a contribuir da forma mais ativa possível”.