Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

“Imagina o Leo a jogar no futebol argentino, a viver em Rosário. Uma loucura”: Maxi Rodríguez recordou carreira e falou em Messi no Newell's

Quando era miúdo, o agora ex-futebolista estava no relvado do Newell's quando Diego Maradona estava a ser apresentado, em setembro de 1993. Era o seu ídolo, depois foi o seu selecionador. Em entrevista ao "Olé", o argentino falou de alguns momentos na carreira, nomeadamente do penálti à Holanda que colocou o país numa final do Campeonato do Mundo tantos anos depois

Tribuna Expresso

Ian MacNicol

Partilhar

Quando Diego Maradona foi apresentado no campo do Newell’s, Maxi Rodríguez era um dos meninos que estavam no relvado a fazer jogos. Em entrevista ao “Olé”, o ex-futebolista de Atlético Madrid e Liverpool recordou esse momento, falou sobre o penálti à Holanda que colocou a Argentina na final do Mundial e ainda explicou porque abandonou o futebol.

“Só queria ver o Diego com a camisola do Newell’s”, contou ao diário argentino quando foi recordado sobre aquele 13 de setembro de 1993. “Pusemos umas bandeiras e fizemos joguitos. Era uma loucura. Não imagina como eram os treinos, enchiam-se de gente.”

Questionado sobre se tentaria levar Lionel Messi para o clube do coração de ambos, o mesmo em que Maradona passou naquele 1993, Maxi preferiu a imaginação. “São decisões muito pessoais, mas são pessoas tão grandes… Imagina o Leo a jogar no futebol argentino, a viver aqui em Rosário. Uma loucura. Se algum dia acontecer, é bem-vindo. Mas, se não acontecer, não há nada a cobrar-lhe.”

Na Argentina, Maxi só jogou naquele clube de Rosário, mas na Europa dividiu o seu ofício em três paragens: Espanyol, Atlético e Liverpool. Nos últimos anos de carreira ainda fez duas temporadas no Peñarol, onde conquistou dois títulos nacionais. Aos 40 anos, e depois de 11 no Newell’s”, o clube que o formou, colocou um ponto final na carreira.

O ídolo, “desde sempre”, foi Diego Maradona. Mais tarde acabaria por ser treinado pelo genial canhoto na seleção nacional. “Custava-me a acreditar. O Diego impunha-se pela sua presença, gerava algo impressionante que não vi em nenhuma outra pessoa.”

Ao “Olé”, Rodríguez lembrou ainda aquele penálti da semifinal do Mundial 2014, contra a Holanda. “Foi o momento de mais tensão que tive a jogar futebol. Acontece que tens tempo para pensar e foi a caminhada mais longa que fiz dentro de um campo. Sabia que era um penálti que nos podia meter numa final de novo, depois de tantos anos, que estava o país todo e o mundo a ver. É um momento em que te vêm 200 mil coisas à cabeça e tens de estar tranquilo. Estava convencido que ia marcar”, lembrou, admitindo que sentiu muita confiança e “cagazo” [medo] ao mesmo tempo.

Sobre o adeus ao futebol, o argentino explicou que foi uma decisão que foi ganhando forma durante esta última temporada. “Dás-te conta, senti isso nestes últimos seis meses e não queria continuar a esticar. Queria chegar ao último dia a desfrutar como fiz. Foi um processo”, contou, admitindo que as pancadas já as sentia de outra maneira e que as recuperações levavam agora mais dias.

Maxi Rodríguez jogou três Campeonatos do Mundo (2006-2014), num deles fez aquele golaço ao México, e ganhou um Mundial sub-20 e uns Jogos Olímpicos.