Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

O PSG é uma festa e os milionários Messi, Mbappé, Neymar e companhia estão a aproveitar

O jornal francês "L'Équipe" divulgou as histórias pouco dignas vividas no clube parisiense. Entre festas pela noite dentro com os participantes a não aparecerem no treino do dia seguinte às "cabeçadas" entre os guarda-redes, passando por ausências em compromissos com os patrocinadores do clube. "Ici c'est Paris!"

Carlos Luís Ramalhão

Jan Kruger - UEFA/Getty

Partilhar

Esperar-se-ia que um clube com os meios financeiros e as ambições declaradas do Paris Saint-Germain levasse mais a sério o futebol e as conquistas que um plantel de luxo pode acumular. A verdade é que, fora de França, o PSG ainda nada conquistou e, mesmo na Ligue 1, o campeão em título é o Lille e não o gigante parisiense.

O artigo publicado esta terça-feira pelo desportivo “L’Équipe” ajuda a perceber as razões para o insucesso do clube presidido por Nasser Al-Khelaïfi. Da baliza ao ataque, há de tudo, desde rivalidades levadas ao extremo até festas que levam os jogadores a faltar aos treinos.

Segundo o jornal, o guarda-redes Keylor Navas, dono das redes parisienses até à época passada, viu com maus olhos a chegada do jovem promissor – e campeão europeu pela Itália – Donnarumma. Apesar das qualidades do ex-AC Milan, a contratação terá sido uma oportunidade de negócio e não um desejo de Mauricio Pochettino. O guardião de 22 anos chegou a custo zero. Numa espécie de justiça de Salomão, o treinador assumiu a rotação dos guarda-redes, que vão trocando a cada dois ou três jogos.

Avançando no terreno, encontramos Kylian Mbappé, promessa mais do que confirmada do clube e da seleção francesa. É público que o jogador quer sair do PSG e representar o Real Madrid. Depois de ter pedido para ser transferido, Mbappé terá sido “obrigado” a ficar mais um ano. Não terá sido esse o motivo da festa que deu com alguns colegas de equipa e que foi exibida sem cerimónias em inúmeras publicações nas redes sociais.

Habituado à controvérsia, o brasileiro Neymar não podia falhar o elenco da telenovela à francesa. Segundo o “L’Équipe”, o avançado faltou a um compromisso com alguns patrocinadores de peso do clube francês. O jornal refere que os dirigentes do PSG, furiosos com o brasileiro, pensaram sancioná-lo, mas acabaram por preferir mentir, dizendo que a ausência do jogador se tinha devido a dúvidas acerca da necessidade de teste à covid-19.

E Messi? O argentino ainda agora chegou à cidade-luz, mas já tem histórias para contar e não falam de fintas ou golos. Leo conquistou a sétima Bola de Ouro da carreira e quis festejar. Para tal, reservou uma discoteca, convidou alguns colegas e prolongou o evento pela noite dentro. No dia seguinte, Messi e Leandro Paredes faltaram ao treino invocando “sintomas gastrointestinais”. Alguns dos presentes na festa que, ainda assim, foram treinar, ter-se-ão mostrado agastados e pedido mais atitude da parte do clube para com comportamentos destes.