Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

“Ganhou Ligas, Taças e chegou às meias da Champions 250 milhões de vezes e considerou-se um fracasso”: Pep e o passado recente do Barça

Pep Guardiola, o treinador do Manchester City, falou no antigo clube numa gala que distingue os melhores da Catalunha. "O que não te custa na vida não tem sentido, não vale a pena. Se agora toca passar mal, pois tem que ser assim. Se não se ganha este ano, que problema há? Se não se ganha no próximo que vem, que acontece? Nada, ganharemos o outro"

Tribuna Expresso

Chris Brunskill

Partilhar

Não tem sido habitual, desde que saiu do Barcelona, Pep Guardiola comentar a vida do clube. Normalmente, o seu barcelonismo vivia através de elogios a Lionel Messi. Desta vez, na ‘Gala de las Estrellas 2021’, uma cerimónia que distingue os melhores da Catalunha, o treinador deixou um recado e passou uma mensagem de esperança.

“Agora há uma boa direção e um muito bom treinador, que ama o Barcelona e estou seguro que o conseguirá levar para a frente”, começou por dizer, aqui citado pelo “As”, admitindo que nunca viu Xavi treinar, mas que o observou como jogador e sabe do seu amor ao jogo e àquela ideia tão blaugrana.

“Há que ter paciência, mas há muito boas sementes que darão bons frutos seguramente, quando a equipa funcionar outra vez voltará a ganhar, que é o que acontece sempre ao Barça”, sublinhou, antes de dizer o que certamente realmente queria dizer, sinalizando os que esmoreceram os feitos do seu Barcelona e dos Barças dos últimos 10 anos.

“O Barça da última década ganhou Ligas, Taças e chegou às semifinais da Champions 250 milhões de vezes e ainda assim considerou-se a temporada um fracasso. Como podemos esperar agora não estar nervosos? Estamos a falar de um clube que dominou a Liga Espanhola de cima abaixo, com diferentes jogadores, treinadores e presidentes. E, ao final de uma tarde má ou mau jogo, ficavas fora e era tudo um fracasso”, ia refletindo Pep, que foi distinguido na gala catalã como o melhor treinador do ano.

FILIPPO MONTEFORTE

“O que não te custa na vida não tem sentido, não vale a pena. Se agora toca passar mal, pois tem que ser assim. Se não se ganha este ano, que problema há? Se não se ganha no próximo que vem, que acontece? Nada, ganharemos o outro”, tranquilizou os adeptos do Barcelona, dando corda e oxigénio às lideranças de Joan Laporta e, principalmente, de Xavi Hernández.

"Se for preciso, metemos dinheiro entre todos" para renovar com Gavi

No lançamento do complicado jogo em Sevilha, com a equipa de Julen Lopetegui, Xavi comentou uma situação que o desagrada, pois por ele estariam mais jovens da equipa B em campo.

De acordo com as regras do futebol espanhol, é necessário estarem no relvado sete jogadores da equipa principal. “No outro dia fiz a equipa e o [delegado] Carles Nadal avisou-me que, se houvesse uma expulsão de um jogador da primeira equipa, perderíamos os três pontos”, contou, aqui citado pelo “El País”, antes de destratar tal medida.

“É uma norma bastante estúpida, quiçá a tenham feito para os últimos jogos da temporada e para os da Taça. Mas, se olharmos para o futebol de formação, creio que assim estamos a tapar a progressão dos futebolistas”, refletiu, antes de admitir que pretende transformar alguns jogadores da equipa B em futebolistas da equipa principal, em janeiro.

Na tal gala, Pep Guardiola também comentou a emancipação e protagonismo dos meninos do Barcelona. “Estão a puxar pela equipa e a demonstrar o talento deles. Há que ter paciência porque, na vida, não se ganha sempre”, insistiu.

Esta temporada, para além dos já quase catedráticos Ansu Fati e Pedri, o Barça juntou Gavi (17), Nico (19), Álex Baldé (18), Ilias Akhomach (17), Abde Ezzalzouli (20) e Yusuf Demir (18). O mais badalado e aparentemente mais especial, até pela convocatória de Luis Enrique para a seleção e todo o debate nacional que isso gerou, é Gavi, um futebolista com quem Xavi quer renovar contrato o quanto antes.

“O clube está a trabalhar e muito bem para fazê-lo, mas há que fazê-lo já”, começou por dizer sobre o tema. O “El País” dá conta de que Gavi é, naturalmente, um dos jogadores com o salário mais baixo e com uma cláusula tímida para os padrões do futebol atual (50 milhões). Por isso tudo, o treinador dos catalães sugeriu, caso necessário, uma vaquinha.

“Se for preciso, metemos dinheiro entre todos. Mas não é só com o Gavi. É que também não podemos perder Abde, Ansu, Pedri, Araujo… São o futuro do clube”, alertou.

O Barcelona joga esta noite com o Sevilha (20h30, Eleven1), um duelo que vai permitir acertar as contas, já que é um jogo atrasado da 4.ª jornada. O Barça está na oitava posição, com 27 pontos, muito atrás do Sevilha, no segundo lugar, com 37 pontos.