Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Equipa da terceira divisão alemã abandona relvado (e não regressa) depois de um dos seus jogadores ser vítima de insultos racistas

O Osnabruck, clube do terceiro escalão da Alemanha, abandonou o relvado depois de o jogador Aaron Opoku ter sido alvo de palavras racistas por parte de um adepto adversário, do MSV Duisburgo. Das bancadas ouviram-se também cânticos de apoio ao jogador, entoados por adeptos de ambos os clubes, ainda assim insuficientes para fazer a equipa voltar ao campo

Tribuna Expresso

Christof Koepsel

Partilhar

O VfL Osnabruck, da terceira divisão da Alemanha, tomou a decisão de abandonar coletivamente o campo, no passado domingo, depois de um dos seus jogadores ter sido insultado de forma racista por um adepto da equipa adversária, o MSV Duisburgo.

Aos 33 minutos, Aaron Opoku, que está emprestado pelo Hamburgo, ouviu as ofensas vindas de um ponto da bancada afeta ao clube da casa. Imediatamente, os companheiros de equipa reuniram-se e, em solidariedade, decidiram abandonar o relvado.

O adepto foi identificado e retirado do estádio, sob cânticos antinazis entoados pelos próprios adeptos do seu clube, em solidariedade com Opoku, jogador de 22 anos da equipa adversária. O animador do estádio colocou uma canção antifascista e o público da casa continuou a mostrar o seu descontentamento para com a atitude de um adepto do seu clube.

Um porta-voz do VfL revelou que Opoku, alemão de origem ganesa, ficou “mentalmente afetado” pelos insultos, mas elogiou a atitude do Duisburgo face ao incidente.

O responsável pela comunicação do VfL disse à “Magenta Sport”, depois do jogo de domingo ter sido suspenso: “Eu apenas ouvi por alto, mas rapidamente percebemos qual era o tema [dos insultos]”. E acrescentou: “Houve uma solidariedade incrível no estádio, mesmo dos espetadores fiéis ao Duisburgo".

Também o diretor executivo do clube de Opoku se pronunciou sobre o assunto, anunciando que o Osnabruck já se ofereceu para marcar um novo jogo, reforçando que o jogador ofendido ficou mentalmente abalado pelo sucedido. “O racismo não pode fazer parte da nossa sociedade e, portanto, do futebol. O Aaron [Opoku] está muito cansado e essa foi uma das razões para não regressarmos ao campo. Não podemos aceitar isto como clube,” acrescentou o dirigente do Osnabruck.