Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

FC Porto vai recorrer da interdição do seu estádio por dois jogos e diz-se “convicto da sua inocência”

O clube azul e branco fez saber, na terça-feira à noite, que não aceita o castigo imposto pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol. A interdição do Estádio do Dragão por dois jogos está relacionada com incidentes no FC Porto-Sporting da época passada

Expresso

Zed Jameson/MB Media

Partilhar

O FC Porto anunciou, esta terça-feira à noite, que vai recorrer do castigo imposto pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). O órgão disciplinar decretou a interdição do Estádio do Dragão por dois jogos, consequência dos incidentes verificados no final do jogo entre FC Porto e Sporting, na época passada. O recurso dos portistas apenas anulará a decisão do CD no caso de o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) dar seguimento a uma providência cautelar.

O diretor de conteúdos dos azuis e brancos, Diogo Faria, disse ao Porto Canal que não houve qualquer problema estrutural na origem dos incidentes, uma vez que o clube “cumpriu os seus deveres em relação à organização do jogo e em matéria de segurança, como faz há décadas”.

Faria prosseguiu com a explicação, defendendo a organização do jogo, a cargo do clube da casa, e colocando a hipótese de ter havido intervenção de outras partes: “Independentemente de toda a operação de segurança estar muitíssimo bem montada, nada garante que não haja um pequeno acidente que resulte de uma ação individual de alguém externo”. O responsável portista não tem dúvidas: “O FC Porto está convicto da sua inocência”.

Já esta quarta-feira, na newsletter Dragões Diário, o clube confirmou que vai apresentar recurso da decisão do Conselho de Disciplina. "O castigo de dois jogos de interdição do Estádio do Dragão aplicado pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol fundamenta-se, apenas e só, no comportamento de elementos que não pertencem à estrutura do FC Porto", pode ler-se no texto.

"Os indivíduos em causa são funcionários de empresas contratadas para prestarem serviços neste tipo de eventos desportivos, tanto ao FC Porto como a clubes concorrentes e à própria Federação Portuguesa de Futebol. Por isso mesmo, o FC Porto irá convictamente recorrer e reverter esta decisão", diz ainda a comunicação. Caso o recurso seja aceite, o FC Porto - Sporting, da 3.ª jornada da I Liga, um dos encontros que seria à porta fechada, deverá ter adeptos.