Tribuna Expresso

Perfil

Opinião
Tomás da Cunha

Tomás da Cunha

Analista e comentador de futebol

Kun Agüero e a magia que se foi

O comentador e analista Tomás da Cunha fala-nos daquele 2005 em que na Argentina apareceu um tal de Agüero, "Kun" de alcunha, tempos em que a imaginação ainda não tinha morrido. O elogio a um avançado que faz parte do futebol que não volta, um futebol-ficção que não víamos na televisão

Tomás da Cunha

Dave Winter/Getty

Partilhar

É sempre difícil ver partir aqueles que fizeram parte do nosso imaginário futebolístico, sobretudo por um problema de saúde. Quando acompanhamos todo o percurso de crescimento e os feitos que o jogador alcançou em diferentes momentos da carreira, há quase uma associação imediata a episódios ou ciclos da nossa própria vida, quase como se tivéssemos crescido juntos. Revemo-nos.

Em 2005, estreava-se um menino de 15 anos na primeira divisão argentina, batendo o recorde de precocidade de um tal Diego Armando Maradona. E logo num clube com a dimensão histórica do Independiente. Mais tarde, viríamos a perceber que tinha herdado o nome de uma personagem de desenhos animados japoneses. Não é “Piojo”, “Muñeco” ou “La Brujita”, mas “Kun” também ficava no ouvido.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler