Perfil

A I Liga está de regresso. Espero que aguente acordado

Partilhar

Uma liga em que se continua a tentar tudo por tudo para ter bancadas vazias

Uma liga em que se continua a tentar tudo por tudo para ter bancadas vazias

Gualter Fatia/Getty

Escrevi-o mais ou menos aqui e mesmo depois de duas (ou dezassete) rabanadas ainda não consegui atinar: após um mês de Mundial e daquela final de há uma semana, ainda não estou totalmente preparada e de coração aberto para o regresso do futebol de clubes.

Falta-me um período de luto, a inclemente passagem do tempo que traz a saudade. Mas como nada disso nos será dado neste ano de Mundial no inverno, mais vale assumir a dura realidade: os campeonatos estão de volta e quarta-feira recomeça verdadeiramente a I Liga após quase sete semanas de paragem. E, por aqui, o que esperamos é que o digníssimo leitor tenha o sono em dia. Se for adepto de um dos três grandes vai precisar, na medida em que FC Porto, Sporting e Benfica, que jogam quarta, quinta e sexta-feira, respetivamente, vão entrar em campo às 21h15, pelo que não pense desligar a TV antes das 23h30.

O “desligar a TV” não é inocente, porque imagino que tais horários façam os adeptos pensarem duas vezes antes de enfrentarem o mau tempo a estas indecorosas horas da noite, mais ainda a meio da semana e com necessidade de agarrar o labor pelos colarinhos logo pela fresquinha no dia seguinte. A cadeira do estádio, onde as emoções se aceleram, onde as cores são mais vivas e os sons no mais puríssimo stereo, podem perder esta batalha até porque os números dizem-nos que é isso mesmo que acontece quando a noite já vai alta.

O Anuário do Futebol Profissional Português, que está aí fresquinho que nem pãezinhos quentes, garante-nos que, apesar de mais de 40% dos jogos da I Liga serem marcados para os slots noturnos, aqueles que têm uma mais simpática assistência média no estádio aconteceram entre as 17 e as 19 horas, um horário que permite a um humilde cidadão levar os filhos ao estádio e, quem sabe, conviver antes e depois da partida. E não é isso que todos queremos levar desta vida?

As marcações dos jogos obedecem à Liga, aos slots horários das TVs e aos clubes (Rúben Amorim admite, por exemplo, que prefere jogar à noite) e por isso não há só um culpado. Mas, provavelmente, apenas um prejudicado: o adepto. O regresso do futebol, infelizmente, não traz nada de novo e esta semana, principalmente para os corajosos que ainda assim se vão aventurar numa ida ao estádio, será mais uma de poucas horas de sono, pouco convívio, zero espírito. Em outras latitudes há tradição, há Boxing Day, há futebol para todos. Por aqui, só mesmo para os bravos.

O que se passou

Leia também

Os melhores e piores de 2022. Quem teve um ano bom e um ano mau no desporto?

Bruno Vieira Amaral separa o trigo do joio, desportivamente falando, neste ano de 2022 que está prestes a acabar. De um lado Messi, Federer ou Serena, do outro o mais planetário dos portugueses

Leia também

Pelé, Maradona e Messi: a viagem para a eternidade

A Argentina conquistou o Mundial do Catar, como em 1978 e em 1986, e as ruas inauguraram o debate, mais uma vez: estará Lionel Messi ao nível de Pelé e Diego Maradona? Ou acima?

Leia também

Ex-jogadores “razoáveis” a seguirem a carreira de árbitro pode resultar no futebol? “Tenho a certeza de que alguém vai querer ser pioneiro”

A situação nem seria nova em Inglaterra, já que foi o percurso de dois ex-futebolistas do Manchester United na década de 1880, mas o desafio foi lançado pelo ex-árbitro Howard Webb, o novo responsável pela arbitragem da Premier League. Vítor Pereira, lembrando que o árbitro da final do Mundial foi jogador, e Duarte Gomes mostram-se favoráveis à ideia: “Esse conhecer por dentro pode ser uma mais-valia importante para a atividade e para o jogo”

Leia também

Se o árbitro mostrou um cartão amarelo a Sérgio Conceição por não ter a braçadeira de treinador, não o poderia ter feito

A meio do FC Porto-Gil Vicente, para a Taça da Liga, o treinador dos dragões viu um cartão amarelo por, aparentemente, não ter a identificação exigida pelos regulamentos da Liga, mas não pelas Leis do Jogo. Portanto, o antigo árbitro Duarte Gomes defende que a sanção era da responsabilidade da entidade organizadora da prova

Leia também

As ondas gigantes estão a chegar (de novo) à Nazaré: como se prepara e vive a prova que deixa a vila com “duas caras”

Justine Dupont descreve o oceano como a vida, com altos e baixos e muitas oportunidades de crescimento. Mas na Nazaré, os baixos são muito baixos e os altos são mesmo muito altos. Com o início do inverno começou o período de espera do Tudor Nazaré Tow Surfing Challenge, um dos eventos de surf mais importantes em Portugal, que pode arrancar a qualquer momento. A surfista francesa, Nic von Rupp e Jessi Miley-Dyer falam sobre ele à <strong>Tribuna Expresso</strong>

Leia também

“Na Coreia vi pessoas que nem para nadar no mar tiravam a máscara. Às seis da tarde tocava uma sirene e todos tinham de sair da água”

A jogar no Torreense, Renato Santos, de 31 anos, quer demonstrar que tem capacidade de voltar à I Liga portuguesa, mas um regresso a Espanha, onde tem casa, em Málaga, também não está fora dos planos. Com passagens pela Grécia e Coreia do Sul, onde encontrou homens e mulheres muito bonitos, com caras que parecem de porcelana, o extremo também jogou no Algeciras numa altura em que, confessa, tomou más decisões

Leia também

“Ficava a tentar bater bolas paradas como o Cristiano, mas o professor Neca queria que eu apontasse ao joelho do último homem na barreira”

Renato Santos fez todos os escalões de formação no Sporting, mas não conseguiu realizar o sonho de vestir a camisola da equipa principal do clube do coração. Contratado pelo Rio Ave, foi emprestado ao Moreirense e ao Desportivo das Aves, antes de estrear-se no clube de Vila do Conde e na I Liga. Diz que o achavam parecido com Ronaldo e tentou imitar o ídolo, sobretudo na marcação dos livres. Após a subida de divisão no CD Tondela, o Boavista viu valor no extremo que por lá ficou três anos, até partir para Espanha, etapa sobre a qual falamos na segunda parte deste Casa às Costas

Leia também

A crise climática está a entrar em campo no desporto, com a “falsa” neutralidade carbónica do Mundial e os riscos para os Jogos de Inverno

A FIFA promoveu o Catar 2022 como a primeira grande competição neutra em carbono, mas estudos desmentem a entidade e realçam a pegada ecológica deixada pelo torneio. Com o COI a tentar definir novas regras para o processo de atribuição dos Jogos de Inverno, olhando à sustentabilidade, a relação dos maiores eventos desportivos com o ambiente, num mundo em crise climática, ganha nova centralidade

Leia também

Aldo Duscher, o ex-companheiro de Scaloni e Messi que garante que treinará o Sporting: “O argentino tem uma tensão linda de querer ganhar”

Parte da equipa que, em 2000, devolveu o título a Alvalde após 18 anos de jejum, o agora técnico assume ter um “ <i>feeling </i>especial” pelos leões, o qual o faz perspectivar um regresso. Sobre o título do seu país, Duscher destaca o “ganhador” que Scaloni já era quando ambos jogaram no Depor e a personalidade “muito gostável” de Messi, que fez com que “toda a gente quisesse” que Leo vencesse

Zona mista

Encaro-o como uma grande vantagem que ele agora saiba o meu nome, acho que fiz uma coisa boa

Wout Weghorst é daquela estirpe de avançado gigantone norte-europeu que talvez só tenha lugar numa seleção de topo por manifesta e momentânea crise de atacantes. Agora, mais do que pelos seus dotes, o neerlandês ficará conhecido por ser o recetor do já imortal “que mirás, bobo?”, pelo seu quiproquó com Lionel Messi o que, uma semana depois da derradeira coroação do argentino no olímpo futebolístico, parece uma honra e um prazer

O que aí vem

Segunda-feira, 26
⚽ Dia 26 é igual a Boxing Day e Premier League o dia inteiro: tudo começa com o Brentford - Tottenham (12h30, Eleven1), passa, entre outros, pelo Aston Villa - Liverpool (17h30, Eleven1) e termina com o Arsenal - West Ham (20h, Eleven1)

Terça-feira, 27
⚽ Segue a jornada 17 da Premier League com o Chelsea - Bournemouth (17h30, Eleven1) e o Manchester United - Nottingham Forest (20h, Eleven1)

Quarta-feira, 28
⚽ Regressa a I Liga após mês e meio de paragem: Portimonense - Casa Pia (19h, Sport TV2) e FC Porto - Arouca (21h15, Sport TV1)
⚽ Premier League: Leeds - Man. City (20h, Eleven1)
⚽ Volta também a Ligue 1, com o PSG, de Mbappé, Neymar e Messi a receber o Estrasburgo (20h, Eleven2)

Quinta-feira, 29
⚽ I Liga: Gil Vicente - Santa Clara (16h, Sport TV1), Estoril - Boavista (19h, Sport TV2) e Sporting - Paços de Ferreira (21h15, Sport TV1)
⚽ Dia de regresso da La Liga: Atlético Madrid - Elche (20h30, Eleven2)

Sexta-feira, 30
⚽ Continua a jornada 14 da I Liga: Chaves - Famalicão (17h, Sport TV1), Vizela - Vitória (19h, Sport TV2) e SC Braga - Benfica (21h15, Sport TV1)
⚽ Premier League: Liverpool - Leicester (20h, Eleven1)

Sábado, 31
⚽ No último dia do ano acompanhe o Wolverhampton - Man. United (12h30, Eleven1) ou o dérbi catalão Barcelona - Espanyol (13h, Eleven2)
🏀 NBA: Indiana Pacers - LA Clippers (20h, Sport TV1)

Domingo, 1
⚽ 2023 está aí e não falta que ver na TV. Na Premier League, o Tottenham recebe o Aston Villa (14h, Eleven1) e, em França, o PSG joga em casa do Lens (19h45, Eleven1)

Hoje deu-nos para isto

A semana entre o Natal e o Ano Novo é uma espécie de falha na continuidade temporal, um glitch no sistema, em que nada parece funcionar ou acontecer. Tirando no desporto. Além do calendário, já em pleno vapor em boa parte da Europa, acontecem, de facto, coisas. Há um ano, lembro, foi nesta semana que Jorge Jesus e Benfica disseram adeus por uma segunda vez. E agora, em 2022, meio mundo está em suspenso com a possibilidade, ou não, de Cristiano Ronaldo, de forma não oficial e simbólica, começar o adeus à carreira de futebolista.

Assinar pelo Al-Nassr, queira-se ou não, terá sempre esse significado. É uma escolha. Cristiano não precisa do campeonato saudita nem daqueles milhões para levar uma vida desafogada até ao final dos tempos. Por isso, tudo é uma escolha. Ser embaixador da candidatura da Arábia Saudita ao Mundial de 2030, que Portugal também quer organizar, a confirmar-se, também é uma escolha, como também foi uma escolha Fernando Santos deixar o capitão no banco no Mundial. Aí, muito se ouviu a palavra “gratidão”. Pergunto-me o que ouviremos na eventualidade de tudo isto se confirmar.

Laurence Griffiths

Depois de um mês a enviar-lhe missivas digitais diárias para o seu e-mail durante o Mundial, a newsletter 12.45 da Tribuna Expresso está de regresso, na sua emissão regular. O nosso site continua à distância de um clique, onde poderá acompanhar a atualidade desportiva e as nossas entrevistas, perfis e análises. Siga-nos também no Facebook, Instagram e no Twitter.

Entramos agora na última semana de 2022. E, entre ataques informáticos e a recuperação do nosso site, podemos confessar-lhe que nem sempre foi fácil. Por isso, mais do que nunca, obrigada por nos ler, por ter ficado por aí. Tenha uma boa semana. Boas entradas e até para o ano.