Perfil

Juventude sónica e os milagres que devem deixar de o ser

Partilhar

Diogo Ribeiro foi bronze nos Europeus absolutos antes de rumar ao Peru e vencer três medalhas de ouro nos Mundiais de juniores. Ele está a fazer a sua parte, o país tem de fazer a outra

Diogo Ribeiro foi bronze nos Europeus absolutos antes de rumar ao Peru e vencer três medalhas de ouro nos Mundiais de juniores. Ele está a fazer a sua parte, o país tem de fazer a outra

NurPhoto/Getty

Ao longo deste fim de semana, lembrei-me de duas conversas que tive nos últimos meses com duas figuras ímpares do desporto nacional. Em inícios de junho, Carlos Resende, o mais importante andebolista da nossa história, dizia-me que “no desporto não há milagres”, na sequência da vitória do Benfica na Liga Europeia de andebol, algo impensável há uma década, se calhar há cinco anos. O “não há milagres” refere-se ao trabalho das federações e clubes, tantas vezes invisível, com poucos meios, para o desenvolvimento das modalidades e formação de bons atletas. Só assim há resultados. Por outro lado, numa aparente contradição que na verdade não é contradição nenhuma, Resende terminou a conversa com um lamento misturado de desabafo, dizendo que gente como João Almeida, João Sousa, Telma Monteiro ou Fernando Pimenta fazia milagres diários. E aí referia-se à falta de cultura desportiva que por cá ainda existe e que se reflete na falta de investimento público e privado nos clubes e nos atletas.

Por falar em Fernando Pimenta, ainda antes de ir recolher mais não sei quantas medalhas aos Europeus de canoagem, o duas vezes medalhado olímpico falou à Tribuna Expresso da frustração que é ver jovens às dezenas a desistirem de pagaiar na transição entre a formação e a entrada na universidade, por não verem na competição um futuro, pela falta de incentivos. Sem investimento, não há dinheiro a cair na conta, ao contrário de um emprego no final dos quatro anos de curso. Por cá, há pouca paciência para formar atletas, obrigados a serem foras-de-série (daí os “milagres” que Resende fala), a darem resultados imediatos para terem algum reconhecimento.

E daí ser tão importante olhar para o que fez Diogo Ribeiro nos Mundiais de juniores de natação, com três medalhas de ouro e um recorde mundial de permeio. Ou Beatriz Fernandes, com três medalhas nos Mundiais júnior de canoagem, uma delas de ouro. Eles são fruto de muito treino, do trabalho das respetivas federações, clubes, da sua própria mentalidade. A federação de natação apostou no treinador brasileiro Alberto Silva, que trabalhou com Cesar Cielo e Thiago Pereira, medalhistas olímpicos, para o ciclo de Paris 2024. Portugal, que durante décadas não conseguiu colocar atletas em posição de lutar por medalhas em grandes competições, ganhou duas nos últimos Europeus absolutos. Tinha duas no total antes disso. Não há milagres, só trabalho bem feito. Da federação de canoagem já conhecemos os anos e anos de bons resultados nas principais provas, com uma ínfima parte do investimento de potências como a Hungria, país semelhante a Portugal em termos demográficos.

Agora, é preciso não os deixar escapar. Diogo Ribeiro tem uma frase fantástica, atirada depois de bater o recorde mundial júnior dos 50 mariposa: “O corpo alcança aquilo em que a mente acredita”. A atitude está lá, agora falta a nossa parte enquanto país. Estar lá na transição para os seniores, que pode ser difícil. Não contar com os foras-de-série, mas sim com atletas formados por estruturas profissionais, que precisam de visão e investimento. Para que resultados destes deixem de parecer milagres.

O que se passou

Com maior ou menor dificuldade, Benfica, Sporting e FC Porto venceram na 5.ª jornada

A seleção nacional feminina bateu a Sérvia e está mais perto do playoff de apuramento para aquela que seria uma presença inédita no Mundial. Terça-feira há jogo decisivo com a Turquia

Do outro lado do Atlântico, Serena Williams despediu-se de Nova Iorque, onde em 1999 se tornou pela primeira vez campeã de um torneio do Grand Slam. Daí até à última dança, foram mais 22 majors


Leia também

A entrevista com Jonathan Edwards, recordista do triplo, o homem que Pichardo persegue: “Surpreende-me que ainda ninguém me tenha superado”

Jonathan Edwards bateu o recorde mundial do triplo salto nos Mundiais de 1995, em Gotemburgo. Daí para cá, os 18,29 metros continuam intocáveis e é a marca que falta a Pedro Pablo Pichardo. À <strong>Tribuna Expresso</strong>, o inglês, hoje com 56 anos, deixa rasgados elogios ao atleta português, mas lembra que para voar tão longe é preciso ser mais rápido em corrida. E diz que o recorde mundial tem uma importância maior do que a medalha de ouro olímpica

Leia também

De Montevidéu a Doha, episódio 1: o que fazer para remediar um pouco um Mundial imoral e manchado de sangue?

Nada devolverá a vida aos pelo menos 6.500 trabalhadores migrantes que, segundo uma investigação do “The Guardian”, morreram na construção das infraestruturas do Mundial, nem se recuperará uma década de promoção de um país com graves desrespeitos pelos direitos das mulheres ou onde a homossexualidade é crime. Mas diversas organizações pressionam a FIFA, as Federações ou os jogadores para que ainda façam algo para que este Mundial não seja “uma oportunidade perdida”. <i>De Montevidéu a Doha é a rubrica em que, semanalmente e até ao arranque do Mundial no Catar, a <strong>Tribuna Expresso </strong>trará reportagens e entrevistas sobre a história da mais importante competição global</i>

Leia também

Um apelo a Ronaldo, Messi e companhia: “Se se limitarem a falar de futebol enquanto estiverem no Catar, será uma oportunidade perdida”

As críticas à volta da atribuição do próximo Mundial ao Catar colocam ainda mais os holofotes sobre os futebolistas que irão competir nos luxuosos relvados do emirado. “Os jogadores contactam diariamente com os <i>media</i>. Fará uma grande diferença se as grandes estrelas falarem” sobre o trabalho escravo dos migrantes, as restrições impostas às mulheres ou a rejeição dos homossexuais, defende Tim Sparv, antigo futebolista finlandês, em entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>. Sparv pôs a mão na consciência e tornou-se uma voz em defesa da moralidade no desporto

Leia também

“O jogador romeno é vaidoso, acha-se muito bom. Depois dos treinos gostavam de meter-se no banho quente a beber cerveja”

Defesa direito do Moreirense, David Bruno, 30 anos, foi pai há menos de um mês e acredita que o melhor momento da sua carreira ainda está para chegar. Sobre a experiência na Roménia, onde teve ordenados em atraso e fracas condições de trabalho, confessa que se fosse hoje não repetia. Mas apesar de ambicionar ficar a jogar em Portugal, admite voltar ao estrangeiro. Sobre o futuro pós-futebol, a única certeza que tem é a de querer fazer as cinco cadeiras que lhe faltam para concluir a licenciatura em Economia

Leia também

A Culpa é do Árbitro? “Sobre o tempo útil de jogo, esta época os árbitros sentem mais que são parte importante da solução e não do problema”

Quanto tempo é que se joga, efetivamente, em campo? O antigo árbitro Duarte Gomes conversa com a jornalista Lídia Paralta Gomes sobre o tempo útil de cada jogo e analisam alguns lances desta jornada no podcast A Culpa é do Árbitro

Leia também

O ritmo frenético de Remco Evenepoel: promessa das seleções jovens da Bélgica, disse “que se lixe o futebol” e virou fenómeno do ciclismo

Aos 22 anos, o belga da Quick-Step lidera a Vuelta após várias etapas em que demonstrou o seu enorme talento e ambição para arrancar sozinho e sem olhar para trás. Mas, ainda há bem pouco tempo, Evenepoel era capitão da formação do Anderlecht, clube do qual saiu desiludido aos 17 anos para iniciar uma carreira nas bicicletas que rapidamente o fez centrar atenções na mesma modalidade que o pai praticou

Zona Mista

Vou ser seu amigo. E às vezes seu professor

Erik ten Hag, sobre Cristiano Ronaldo, cuja ida para o banco do Man. United coincidiu com a série de quatro vitórias seguidas da equipa na Premier League, a última delas no domingo frente ao líder Arsenal. Talvez só daqui a alguns meses iremos perceber o que o neerlandês quis mesmo dizer com isto

O que aí vem

Segunda-feira, 5
⚽ I Liga: Boavista - Paços de Ferreira (19h, Sport TV2) e Chaves - Rio Ave (21h15, Sport TV1)
🎾 Começa a última semana do US Open (17h45, Eurosport 1)

Terça-feira, 6
⚽ Aí está o regresso da 🎶 CHAAAAAAAPIONS 🎶 e a primeira equipa portuguesa a entrar em campo é o Benfica, que recebe o Maccabi Haifa (20h, Eleven 1). Paris SG-Juventus (20h, Eleven 2) é o outro jogo do grupo dos encarnados
⚽ A seleção feminina recebe a Turquia e em caso de vitória garante um lugar no playoff de apuramento para o Mundial de 2023 (17h30, 11)

Quarta-feira, 7
⚽ Na Liga dos Campeões, acompanhe o Eintracht Frankfurt - Sporting (17h45, Eleven 1) e o Atlético Madrid - FC Porto (20h, TVI/Eleven 1)

Quinta-feira, 8
⚽ Depois da Champions, é a vez da estreia da Liga Europa, com o SC Braga a jogar em casa do Malmo (17h45, Sport TV1). A Roma de José Mourinho desloca-se a casa do Ludogorets (17h45, Sport TV2) e o Manchester United recebe a Real Sociedad (20h, Sport TV1)

Sexta-feira, 9
⚽ Arranca a jornada 6 da I Liga, com o Vitória - Santa Clara (20h15, Sport TV1)

Sábado, 10
⚽ Na I Liga, jogam os três grandes: Famalicão - Benfica (15h30, Sport TV1), Sporting - Portimonense (18h, Sport TV2) e FC Porto - Chaves (20h30, Sport TV1)
⚽ Arranca o campeonato feminino, com o Atl. Ouriense - Sporting (15h, Sport TV2)
⚽ Dia cheio de bons jogos também na Premier League, com destaque para o Liverpool - Wolverhampton (15h, Eleven 1) e o Man. City - Tottenham (17h30, Eleven 1). Na La Liga, o Real Madrid recebe o Maiorca (20h, Eleven 1)
🏁 Fórmula 1: GP Itália, qualificação (14h, Sport TV4)
🎾 US Open: final feminina (21h30, Eurosport 1)

Domingo, 11
⚽ Campeonato feminino: Benfica - Marítimo (13h, 11)
⚽ I Liga: Paços de Ferreira - Casa Pia (15h30, Sport TV1), Arouca - Boavista (18h, Sport TV2), Marítimo - Gil Vicente (18h, Sport TV1) e Rio Ave - SC Braga (20h30, Sport TV1)
⚽ Na Premier League, o Manchester United joga em casa do Crystal Palace (16h30, Eleven 1). Na La Liga, o Atletico Madrid, de João Félix, joga com o Celta (17h30, Eleven 2)
🏁 Fórmula 1: GP Itália, corrida (14h, Sport TV4)
🚴 Última etapa da Vuelta (17h, Eurosport 1)
🎾 US Open: final masculina (21h30, Eurosport 1)


Hoje deu-nos para isto

Não me sai da cabeça que se há pessoa que a esta hora deveria estar mais chateada com o imbróglio ultrajante que foi o processo instaurado a uma jornalista da Sport TV por ter tido a audácia, imagine-se, de fazer uma pergunta a um treinador de futebol numa flash interview, essa pessoa é Rúben Amorim.

O treinador do Sporting declinou com a graciosidade e elegância que lhe são habituais responder à questão da jornalista Rita Latas sobre Slimani, remetendo para a conferência de imprensa mais esclarecimentos acerca do caso. O que aconteceu. Mas porque no futebol ainda há quem trate jogadores e treinadores com paternalismo bacoco, de quem se considera num patamar de intocabilidade delirante, a pergunta da repórter acabou no relatório do delegado da liga, a suposto pedido do delegado do Sporting. E a FPF foi obrigada a atuar, à luz de uma leitura literal dos regulamentos, nunca até agora feita.

Dias depois, Rúben Amorim disse o óbvio, para mais quando já temos anos no lombo das suas conferências e declarações: podem fazer-lhe todas as perguntas, porque ele está preparado para responder a tudo, mesmo quando a opção é não responder. Não precisa de amas secas, de atitudes de despeito. O futebol fechou-se em si mesmo, achando-se demasiado grande para ser contestado. Nós, jornalistas, já estamos a isso habituados - e este caso terá também de nos fazer refletir sobre os limites a que nos vamos acostumando - mas que alguém, dentro do próprio clube, tome o seu treinador por incapaz de se defender, isso já é nem sequer conhecer o habitat em que trabalha.


Leia também

Pedro Adão e Silva: “É bom um caso destes acontecer no futebol para chamar a atenção de os jornalistas poderem colocar questões incómodas”

Em pequena entrevista à <strong>Tribuna Expresso,</strong> o ministro da Cultura (que tutela a Comunicação Social) realça que o processo instaurado à jornalista da Sport TV devido ao regulamento da Liga que limita as perguntas que podem ser feitas no momento de <i>flash interview</i> “nos deve deixar a todos em alerta”. Pedro Adão e Silva defende que “a Constituição sobrepõe-se sempre a qualquer regulamento” e lembra que uma jornalista “nem pode ser tratada como agente desportivo igual a um defesa central ou um lateral esquerdo”

A Tribuna Expresso está de regresso à sua casa, onde poderá continuar a acompanhar a atualidade desportiva e as nossas entrevistas, perfis e análises. Siga-nos também no Facebook, Instagram e no Twitter, se estiver para aí virado. E obrigado por nos ler, tenha uma boa semana.

E já agora, se ainda não escutou, temos um novo podcast (esta semana sairá o 5.º episódio) chamado A Culpa é do Árbitro, com Duarte Gomes, onde as regras e as leis do jogo são protagonistas, com o tom pedagógico que tantas vezes falta ao nosso futebol.