Tribuna Expresso

Perfil

NBA

Jogos adiados, jogadores confinados e o Natal em risco: covid-19 ataca a NBA e obriga a novas regras

Desde o aparecimento da variante ómicron, os casos de covid-19 têm vindo a aumentar um pouco por todo o mundo. E no desporto não é exceção. A NBA tem estado a lidar com o crescente número de casos positivos nas suas equipas, o que levou já ao adiamento de jogos e à alteração das regras para que não faltem jogadores

Rita Meireles

Will Newton

Partilhar

Enquanto deste lado do oceano é no futebol que se têm registado diversos casos de covid-19 entre jogadores e equipas técnicas, do outro lado é no basquetebol que o problema tem sido maior. Só no passado domingo, a NBA viu-se obrigada a adiar cinco jogos, tendo em conta o crescente número de jogadores em confinamento. Algo que já obrigou a liga a encontrar novas soluções para os clubes.

Três dos cinco jogos adiados estavam marcados para o passado domingo: Denver Nuggets - Brooklyn Nets, Cleveland Cavaliers - Atlanta Hawks, New Orleans Pelicans - Philadelphia 76ers. Havia ainda um jogo marcado para esta segunda-feira, entre os Orlando Magic e os Toronto Raptors, e outro para a próxima terça-feira, entre os Washington Wizards e os Nets. Mas estes não são os primeiros da temporada. Os Chicago Bulls já viram dois dos seus jogos serem adiados.

Ainda assim, é em Brooklyn que o problema é maior. A equipa tem 10 jogadores integrados nos protocolos de segurança contra a covid-19: “Estas são circunstâncias imprevistas e detesto dizê-lo, mas é quase como se tivéssemos andado seis meses para trás, ou um ano atrás, infelizmente com os casos a aumentar", disse, à Associated Press, Sean Marks, diretor-geral dos Nets.

Do grupo de jogadores fazem parte Kevin Durant, Kyrie Irving, James Harden, LaMarcus Aldridge, DeAndre’ Bembry, Bruce Brown, Jevon Carter, Paul Millsap, James Johnson e Day’Ron Sharpe.

Mike Stobe

Durant foi um dos últimos a juntar-se a este grupo e foi a necessidade de manter o jogador em campo durante a maioria do jogo, quando muitos estavam já ausentes, que levou o clube a chamar Irving para reforçar, pelo menos, os jogos fora de casa. O jogador estava ausente desde o início da época por causa da regra, em Nova Iorque, que dita a proibição de entrada em recintos desportivos a pessoas não vacinadas. O jogador recusou ser vacinado.

Mas mesmo antes do regresso, Irving e os Nets souberam que o jogador teria que ser incluído no grupo acima referido. Isto não quer dizer que tenha testado positivo à covid-19, uma vez que o protocolo obriga também ao afastamento de qualquer pessoa que tenha estado em contacto com um caso positivo.

Em Cleveland encontra-se outro dos focos do problema. Só na manhã do passado domingo foram cinco os jogadores que testaram positivo: Jarrett Allen, Lamar Stevens, Dylan Windler, Denzel Valentine e RJ Nembhard. Além deles, estão também integrados no protocolo de segurança Evan Mobley e Isaak Okoro.

Os Sacramento Kings, equipa do português Neemias Queta, também não escaparam a esta vaga. No jogo do passado domingo, frente aos San Antonio Spurs, o treinador não contou com sete jogadores, sendo que seis deles se devem ao protocolo de segurança. O poste português foi chamado à equipa devido a estas ausências e já foi opção em um dos dois jogos disputados desde então.

Lachlan Cunningham/Getty

E a lista continua: Giannis Antetokounmpo, dos Milwaukee Bucks, Trae Young, dos Hawks, Andrew Wiggins, dos Golden State Warriors. No final do passado domingo falava-se já em cerca de 80 jogadores e treinadores em isolamento. O número total ainda não foi atualizado esta segunda-feira, mas a tendência tem sido de crescimento.

Para dar resposta a este problema, a liga que inovou com uma ‘bubble’ em 2020, um recinto com diversos campos que manteve as equipas isoladas para que se terminasse a época interrompida pela pandemia, viu-se agora obrigada a alterar as regras em relação à contratação de jogadores substitutos.

Quem o confirmou foi Shams Charania, jornalista do ‘The Athletic’, que fez saber que as equipas serão autorizadas a assinar um jogador substituto para cada jogador sob contrato que tenha testado positivo à covid-19. A liga exige ainda que as equipas assinem pelo menos um jogador depois de dois terem recebido resultado positivo no teste. No caso de serem três casos positivos, terão de assinar pelo menos dois jogadores, e quando forem quatro ou mais testes positivos, devem integrar pelo menos três substitutos. Ainda assim, se a equipa conseguir colocar 13 jogadores no pavilhão estas medidas não serão necessárias.

Segundo Charania, estas regras entram em vigor a partir do próximo dia 19 de janeiro. Mas antes disso jogam-se os jogos da época de natal na NBA, uma das alturas mais esperadas pelos adeptos da modalidade. A dúvida neste momento é se existirão jogos e, caso existam, quem serão os jogadores disponíveis para jogar.