Tribuna Expresso

Perfil

Mundial 2022

Caso Byron Castillo: FIFA rejeita recurso do Chile e mantém Equador no Mundial

Alegando que o jogador utilizado pelos equatorianos na qualificação para o Catar é, na verdade, colombiano, os chilenos apresentaram novo pedido junto da entidade máxima do futebol para conseguirem uma vaga na competição. No entanto, a FIFA manteve a decisão anterior. Chile deverá, agora, levar o caso ao Tribunal Arbitral do Desporto

Pedro Barata

Esteban Felix - Pool/Getty Images

Partilhar

O Comité de Recurso da FIFA rejeitou o recurso do Chile no caso relativo à nacionalidade de Byron Castillo, optando, assim, por manter a vaga do Equador no Mundial 2022.

Em junho, a federação chilena apresentou uma queixa junto do Comité de Disciplina da FIFA. Segundo as alegações chilenas, Byron Castilo, utilizado pelo Equador em oito dos 18 encontros de qualificação para o Mundial 2022, é colombiano, tendo nascido em Tumaco em 1995, e não equatoriano, nascido em 1998, como surge nos documentos oficiais.

A provar-se esta irregularidade, a perda de pontos do Equador deixaria o Chile na quarta posição da qualificação sul-americana, colocando la roja entre as seleções presentes no Catar. Os chilenos terminaram em sétimo na fase de apuramento e não conseguiram garantir lugar na fase final do Mundial.

A 10 de junho, a FIFA decidiu em favor do Equador face às alegações do Chile. Novas provas que os chilenos disseram obter levaram a que o caso ganhasse força. O jornal britânico “Daily Mail” publicou um áudio, alegadamente de Byron Castillo, em que o atual lateral direito do Léon (equipa mexicana treinada pelo português Renato Paiva) assume ter nascido na Colômbia e também ser três anos mais velho do que está registado (nasceu em 1995 e não 1998).

No entanto, “tendo analisado os documentos submetidos por todas as partes e sido realizada uma audiência, o Comité de Recurso confirmou a decisão do Comité de Disciplina”, anunciou a FIFA em comunicado. Para a entidade máxima do futebol mundial, Byron Castillo tem “nacionalidade equatoriana permanente”.

O Chile deverá, agora, recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto, em Lausanne, na Suíça.

O Equador integra o grupo A do Mundial 2022, juntamente com Catar, Países Baixos e Senegal. A seleção sul-americana estará, aliás, presente na partida inaugural da competição, a 20 de novembro, contra os anfitriões.