Perfil

Motos

Afinal, onde vai correr Miguel Oliveira em 2023? Português já esteve praticamente confirmado na Aprilia, mas agora há uma nova hipótese

O futuro a Miguel Oliveira pertence, mas já várias equipas foram apontadas ao português, que continuou sem fazer qualquer anúncio oficial em relação à próxima época. A RNF já foi uma certeza, mas agora existe a possibilidade de o piloto não ir a lado nenhum e continuar no universo KTM

Rita Meireles

Steve Wobser

Partilhar

Das duas uma: ou os portugueses estão numa fase de fazer mistério ou o futuro está muito incerto nesta ponta da Europa. E não, não se trata de Cristiano Ronaldo. É Miguel Oliveira que continua a ser apontado a várias equipas do MotoGP para a próxima época, sem qualquer anúncio oficial do que lhe reserva o futuro. Um futuro que, afinal, até pode passar por regressar à casa de partida.

Os primeiros rumores colocavam o piloto português na Gresini Racing a partir da próxima época. Se alguma vez a hipótese esteve em cima da mesa, deixou de ser uma realidade no momento em que Alex Márquez, que deixa a LCR Honda, e Fabio di Giannantonio foram anunciados como a nova dupla da equipa satélite da Ducati.

Já em agosto, Paolo Ciabatti, diretor desportivo da Ducati, chegou com uma nova versão para o futuro de Miguel Oliveira: a RNF seria a próxima equipa do piloto. A proposta teria chegado depois de a equipa chegar a acordo com Aprilia, a nova responsável pelos motores da RNF.

“A Aprilia assinou um acordo com a RNF. Fizeram uma boa proposta ao Miguel Oliveira e ele decidiu aceitá-la. Foi compreensível", disse Ciabatti à “Speedweek”.

Após esta declaração, nem o piloto, nem a KTM, a sua atual equipa, ou a RNF fizeram qualquer comunicado oficial e o assunto continuou em aberto. Certo, certo é que Oliveira não vai continuar na equipa de fábrica do construtor austríaco, que já confirmou Jack Miller e Brad Binder para 2023. E com esta decisão, a saída da KTM parecia certa, depois do português não aceitar "descer" para a Tech3, estrutura francesa com motores austríacos onde Oliveira começou a sua carreira na categoria máxima e onde conseguiu duas vitórias.

Até Stefan Pierer, diretor-executivo da Pierer Mobility, o grupo que detém a KTM, confessar, em entrevista à mesma revista, estar “feliz” por Miguel Oliveira ter encontrado “uma boa equipa”, referindo-se à Aprilia.

Depois destas declarações, parecia ser uma questão de tempo até que o português fosse anunciado na nova equipa. Mas 24 horas depois, tudo voltou ao campo das incertezas: durante uma conferência de imprensa onde foram apresentadas as novas cores da Tech3, segunda equipa da empresa, que passa a chamar-se GASGAS Factory Team, e onde foi anunciado o regresso de Pol Espargaró, falou-se de Miguel Oliveira.

“Há a possibilidade de manter o nosso amigo Miguel Oliveira na família, mas de momento não está nada decidido. Vamos ter de esperar um pouco mais. Hoje terá uma nova oferta”, disse o diretor Pit Beirer.

Esta sexta-feira, o piloto disse à Sport TV, segundo escreveu o jornalista Pedro Miguel Gamito no Twitter, que "há uma pequena hipótese de aceitar a proposta da GasGas” e que necessita apenas de “uns dias para pensar”.

No final deste entra e sai de equipas, é possível que o futuro de Miguel Oliveira não seja tão diferente daquilo que é o presente e foi o passado. O piloto poderá continuar num lugar que tão bem conhece, uma vez que está ligado ao construtor austríaco desde os tempos de Moto3.