Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Patrícia Mamona foi quarta no triplo do meeting de Lausana, Rojas voltou a dominar

A portuguesa entrou mal na prova, com um registo de 13,65 metros, mas, após um nulo, chegou aos 14,22 (vento +0,1 m/s), fixando-se logo aí no quarto lugar. Yulimar Rojas, campeã mundial e olímpica e recordista do mundo, fez 15,31m.

Lusa

Ezra Shaw/Getty

Partilhar

A portuguesa Patrícia Mamona foi quarta classificada no concurso do triplo salto do 'meeting' de atletismo de Lausana, na Suíça, prova pontuável para a Liga Diamante e que teve como vencedora a venezuelana Yulimar Rojas.

Mamona entrou mal na prova, com um registo de 13,65 metros, mas, após um nulo, chegou aos 14,22 (vento +0,1 m/s), fixando-se logo aí no quarto lugar.

Prosseguiu o concurso com mais dois nulos, falhando assim o acesso ao salto que poderia ser decisivo, reservado para as três primeiras.

Rojas, campeã mundial e olímpica e recordista do mundo, resolveu tudo a seu favor no quinto salto, com excelentes 15,31 metros, um registo de grandeza que só ela consegue fazer, na atualidade.

A jamaicana Shanieka Richards, duas vezes vice-campeã mundial, foi segunda, com 14,64, e a ucraniana Maryna Beck-Romanchuk, campeã europeia, ficou no terceiro posto, com 14,31.

Nas outras provas, sobressai a marca dos 1.500 metros, com o norueguês Jakob Ingebrigtsen a correr em 3.29,05 minutos, nova melhor marca mundial do ano.

O indiano Neeraj Chopra, campeão olímpico do dardo mas que não esteve nos Mundiais, em Eugene, este ano, regressou à competição e às vitórias, lançando o engenho a 89,08 metros.

Na ausência do português Pedro Pichardo, Cuba aproveitou a ocasião para monopolizar o pódio do triplo salto masculino, com Andy Díaz (17,67 metros), Lazaro Martinez (15,50) e Jordan Díaz (17,44).

A porto-riquenha Jasmine Camacho-Quinn derrotou a recente recordista mundial dos 100 metros barreiras, a nigeriana Tobi Amusan.

Na quinta-feira, em plena zona central de Lausana, o ‘meeting’ teve o seu arranque com o salto com vara, prova em que o sueco Armand Duplantis não teve grandes problemas para superar os 6,10 metros.