Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Ivan Fedotov, nome grande do hóquei no gelo russo, detido por alegadamente faltar ao serviço militar. Preparava-se para jogar nos EUA

Já brilhou nos Jogos Olímpicos e no campeonato russo, mas quando quis ir brilhar para os Estados Unidos as coisas complicaram-se. O governo russo viu o novo contrato de Ivan Fedotov como uma forma de fugir ao serviço militar obrigatório e deu ordem para a sua detenção

Rita Meireles

Harry How

Partilhar

O russo Ivan Fedotov, guarda-redes de hóquei no gelo, foi detido no passado fim de semana por ordens do governo do seu país. A informação foi avançada pelo portal de notícias “Fontanka”, que informa que o jogador foi acusado de faltar ao serviço militar e ao alistamento. Numa altura em que a Rússia está a recrutar cidadãos para o exército para continuar a invasão que iniciou na Ucrânia em fevereiro, o facto de o jogador ter assinado contrato com uma equipa norte-americana fez com que fosse visto como um desertor.

Até junho, Fedotov, de 25 anos, era jogador do CSKA Moscovo, clube que deixou para rumar aos Estados Unidos, onde se iria juntar aos Philadelphia Flyers, da NHL. O jogador assinou contrato por uma época. O problema é que o clube russo tem uma grande ligação com as forças armadas do país, chegando mesmo ao ponto de todos os jogadores do clube serem considerados militares. Por esse motivo, a partida do guarda-redes numa altura em que o país está em guerra é considerada um crime na Rússia.

Foi à porta da Ice Arena Kupchino, pavilhão em São Petersburgo, que o jogador foi detido e, posteriormente, levado para o gabinete de alistamento do exército na mesma cidade. No seguimento da detenção o jogador foi hospitalizado por ter sentido fortes dores de estômago, ao que tudo indica causadas pelo stress de toda a situação.

Durante a sua passagem pelo hospital, Alexey Ponomarev, advogado do jogador, falou ao canal Match.TV: "Neste momento, não podemos dizer exatamente como está a situação. Ele estava no hospital, mas por alguma razão não foi listado como os outros pacientes. Recentemente, a polícia militar entrou no hospital, apresentei-me a eles, disse que era advogado e perguntei-lhes qual era o assunto que vinham tratar. Deram meia volta, entraram no carro e não fizeram mais comentários até serem deixados entrar no hospital. Desde então, não ouvimos mais nada”.

Além de Fedotov se estar a preparar para ir para os Estados Unidos, há ainda a questão de que na Rússia todos os homens entre os 18 e 27 anos são obrigados a completar um ano de serviço militar, com algumas isenções. Falhar o alistamento é punível com multa e pena de prisão que pode ir até dois anos.

Entretanto, o jogador terá sido transferido para o posto naval da cidade russa de Severomorsk, onde está detido e aguarda que seja decidido o seu futuro. O "Moscow Times" diz que o guarda-redes poderá ter de cumprir o serviço militar no arquipélago de Novaya Zemlya, na zona do Ártico.