Perfil

Liga dos Campeões

O jogo já terminara, mas o VAR abençoou o Atlético com um penálti que os espanhóis falharam. E o FC Porto festejou no avião

Em Madrid, o jogo não poderia ter terminado de forma mais dramática, com os jogadores já a caminho dos balneários quando o VAR assinalou a grande penalidade que os colchoneros acabariam por desperdiçar, empatando com o Bayer Leverkusen e ficando sem hipóteses de continuarem na Liga dos Campeões. Quem beneficiou foi o FC Porto

Expresso

Angel Martinez/Getty

Partilhar

No penúltimo jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões, o Atlético de Madrid esperava definir com o Leverkusen a sua situação e ter o passaporte carimbado para a próxima fase da competição. A vitória do FC Porto em Brugge obrigava a um esforço extra e a equipa treinada por Diego Simeone parecia disposta a isso.

Madrid assistiu a um jogo competitivo, entre aquelas que poderiam ser consideradas, à partida, favoritas aos dois primeiros lugares do grupo. O Brugge era indiscutivelmente o outsider, com os campeões nacionais em título a esperarem, à partida, disputar o apuramento com espanhóis e alemães. Como amiúde acontece no futebol, não foi o que se passou.

Mas o FC Porto acabou por beneficiar de uma das mais insólitas situações do torneio, nos últimos anos. Chegados os 90 minutos – mais compensação –, o Metropolitano tinha no marcador um 2-2 que eliminaria as duas equipas. Conta o jornal “El Pais” que Simeone seguia, cabisbaixo, para o balneário, seguido por jogadores de ambas as cores, todos de semblante carregado.

Aconteceu então um milagre para a equipa vermelha e branca.

O VAR chamou a equipa de arbitragem em campo, pedindo-lhes que revissem o último ataque do Atlético, por suspeita de mão dentro da área por parte de Hincapie, do Leverkusen. O jogo ainda não tinha acabado, afinal. Quem assumiu a marcação do penálti foi Carrasco, o luso-belga dos colchoneros. O heroísmo amargo calhou a Hradecki, o croata que defende a baliza alemã. O guarda-redes agarrou a bola e ambas as equipas confirmaram a eliminação da prova, com a hipótese de baixarem à Liga Europa por definir na última jornada.