Tribuna Expresso

Perfil

Futebol nacional

Vasco Seabra: “Houve momentos em que quisemos abusar da saída curta”

O treinador do Marítimo insistiu, durante a flash interview, que o resultado foi "demasiado volumoso" para o que aconteceu esta noite, no Estádio do Dragão. "Tivemos coisas muito boas no jogo e tivemos esses erros que nos fazem crescer"

Expresso

DeFodi Images

Partilhar

Jogo

“Entrámos muito bem no jogo, entrámos afoitos, chegámos ao último terço do Porto. Antes do 1-0, temos duas oportunidades muito claras para poder fazer [o golo], uma do Joel e a bola na barra do Xadas. Depois do 1-0, temos oportunidade para fazer 1-1, novamente pelo Joel, numa defesa extraordinária do Diogo [Costa]. Depois, não sentimos o jogo da forma que devíamos ter feito. A nossa equipa quer jogar, mas temos de saber sentir os momentos. Houve momentos em que, sendo primeiro jogo da época e contra uma equipa que pressiona muito, que massa muito por trás, quisemos abusar da saída curta e precisávamos de ter tido um bocadinho mais saída mais longa e porventura pôr o Porto também a correr para trás, na última linha. Na primeira parte, globalmente, fizemos um bom jogo. Acabámos por sofrer o 1-0 contra a corrente.”

Segunda parte

“Ficou mais difícil para nós, com o desgaste acumulado é natural. O resultado acaba por ficar mais difícil. Globalmente, foi demasiado volumoso para o que aconteceu, porque vir ao Dragão e criar quatro, cinco oportunidade de golo clara… torna curto o que o resultado diz, que me parece demasiado volumoso.”

Dois golos sofridos perto do intervalo

“Sim, ainda por cima sentindo que o resultado era muito enganador para o que estava a acontecer. O sentimento da equipa era que estávamos a fazer muitas coisas, tínhamos criado três ou quatro oportunidades claras. Na segunda parte ainda criámos mais duas. No Dragão, não são muitas equipas que o conseguem. O Porto fez 22 remates, mas teve sete enquadrados. Dos sete fez cinco golos, não é uma situação muito habitual. Sabemos onde errámos e por onde queremos ir. Tivemos coisas muito boas no jogo e tivemos esses erros que nos fazem crescer, que temos de eliminar o mais rápido possível para passarmos para o patamar seguinte.”

goleada deixa marcas?

“Não andamos em função do resultado ser mais pesado, andamos em função de comportamentos. A equipa sabe que errou em determinados momentos, sabe que fez outras coisas boas noutros momentos. Sabemos que temos de ser uma equipa mais agressiva ainda, temos de ser mais simples em determinados momentos e continuar a manter a nossa identidade nos outros. Mesmo quando ganhamos, sabemos que podemos perder confiança se não fizermos as coisas de acordo com a nossa identidade. Volto a dizer, perdemos por um resultado demasiado volumoso. Temos um caminho para percorrer, sabemos que o Marítimo vai ser uma equipa muito competitiva.”