Perfil

Futebol internacional

Jesse Lingard admite ter recorrido ao álcool para ultrapassar dificuldades no Man. United: “Precisava de algo para tentar remover a dor”

Há mais um jogador com uma forte ligação ao Manchester United que deixou o clube bastante desiludido. Jesse Lingard já está numa nova fase da sua vida, mas no final do seu capítulo em Manchester tudo foi demasiado difícil, entre vida profissional e a depressão da mãe. O jogador confessa mesmo que bebia antes de dormir

Rita Meireles

NurPhoto

Partilhar

Jesse Lingard tinha apenas sete anos quando começou a jogar no Manchester United, mas a história que o liga ao clube não teve o final feliz que a longa ligação faria anunciar. As dificuldades que sentiu nos últimos anos no clube misturadas com alguns problemas que surgiram na sua vida pessoal levaram o jogador para um local bastante sombrio.

Num episódio do podcast “The Diary of a CEO”, o agora jogador do Nottingham Forest confessou que, "para tentar remover a dor" que sentia em sequência do tratamento que recebeu em Old Trafford, incluindo por parte dos adeptos, recorreu ao álcool.

"Eu precisava de algo para tentar remover a dor. E pôr-me à vontade de alguma forma. Bebia antes de dormir. Agora olho para trás e penso: 'Para que é que eu estava a fazer isso?'. Estava a tentar esquecer o que se estava a passar. Mas isso faz com que se torne 10 vezes pior", contou Lingard.

Além de tudo o que estava a acontecer a nível profissional, em casa o jogador lidava com a depressão da mãe, que acabou por ser internada. Em 2019, Lingard adicionou ainda ao seu dia a dia a responsabilidade de cuidar dos irmãos mais novos.

"A depressão era tão má que ela já não conseguia aguentar mais e precisava de se ir embora e pedir ajuda. Mas deixar-me com a minha irmã, que tinha 11 anos na altura, e o meu irmão, que tinha 15, e eu ainda estava a passar por muito. Não fui o irmão mais velho que eles queriam na altura. Eu simplesmente não estava lá mentalmente", admitiu.

Confrontado com tudo isto, Lingard acabou por falar com o seu treinador, que na altura era Ole Gunnar Solskjaer, para que no clube soubessem da sua situação. Não partilhou com mais ninguém, mas tem noção que os colegas foram entendendo por ouvirem o treinador perguntar como estava a sua mãe. A determinada altura o jogador assume que deixou de ter vontade de jogar, de entrar em campo. "Eu não queria desistir do futebol. Eu nunca teria desistido do futebol, mas precisava de uma pausa", confessou.

Em 2022, Lingard deixou o United como jogador livre. Foi mais do que uma vontade ou a ordem natural das coisas, já era algo necessário para o jogador. Ainda assim, não esquece a forma como deixou o clube onde esteve durante 22 anos.

“Não tive uma despedida. Já lá estava há tanto tempo, acho que merecia uma. Estive lá toda a minha vida e conheço toda a gente no clube”, disse.

Assim como Cristiano Ronaldo contou na entrevista que deu antes do Mundial, e que ditou o final da sua segunda passagem pelo Manchester United, Lingard também mencionou ao longo do episódio do podcast que o clube se encontra “atrás em tudo”, além da falta de estrutura e da facilidade com que cada um faz o que quer.