Perfil

Futebol internacional

No Mundial de Clubes, os árbitros explicarão ao público as decisões relacionadas com o VAR, no início de um teste que durará um ano

Na sua reunião anual, a International Board anunciou que serão feitas provas em competições internacionais para que, nas situações em que o VAR tenha interferência, os juízes justifiquem as opções tomadas, quer a quem estiver no estádio, quer aos telespectadores. Foram, também, discutidas “clarificações” aos critérios de aplicação do fora-de-jogo ou possíveis medidas para aumentar o tempo útil de jogo

Pedro Barata

IAN KINGTON

Partilhar

A partir do Mundial de Clubes, que começa em Marrocos a 1 de fevereiro, e durante 12 meses, serão feitos testes em competições internacionais nos quais os árbitros irão explicar ao público as decisões que tomem relacionadas com o VAR. Este foi a principal medida saída da reunião anual da International Board (IFAB), o órgão máximo no que respeita às leis do jogo.

Na cimeira, realizada no estádio de Wembley e que contou com a presença de Pierluigi Collina, presidente da comissão de arbitragem da FIFA, foi anunciado que o futebol testaria uma abordagem semelhante ao râguebi. Na modalidade da bola oval, os árbitros comunicam os seus juízos a quem estiver sentado nas bancadas ou a ver pela televisão. É essa a intenção das provas que serão feitas no futebol, com a justificação das decisões a ser dada em tempo real.

Na reunião, relevou a IFAB, foram também discutidas medidas para a “clarificação” dos critérios do fora-de-jogo. O debate, diz a entidade, surge depois de “vários situações de alto perfil” terem ocorrido. “Um jogador que está claramente numa posição adiantada não deveria ficar em jogo em todas as ocasiões em que um adversário toque na bola”, lê-se no comunicado.

Outro tema falado refere-se ao aumento do tempo útil do jogo. A abordagem tida no Mundial 2022, com um claro aumento da quantidade de minutos de compensação, foi “recebida positivamente” pela IFAB. Ficou aberta a porta para que se continue a calcular “de forma mais estrita” o tempo adicional dado.

O órgão recebeu ainda sugestões, da parte de algumas ligas, para a realização de testes para a aplicação de substituições temporárias quando existam suspeitas de concussões cerebrais em futebolistas. No entanto, a IFAB revela que “não se chegou a consenso”, continuando o tema “sob análise”.