Perfil

Futebol internacional

“Nem sequer teria atendido a sua chamada”: o presidente da federação francesa de futebol desdenhou Zidane e foi obrigado a pedir desculpa

As coisas já estavam a acalmar após a derrota na final do Mundial 2022, mas de repente todas as atenções se voltaram para França de novo. Desta vez o protagonista foi o presidente da federação, que logo após ser criticado pelas declarações que fez sobre Zinedine Zidane, pediu desculpas publicamente. Um dos críticos foi Mbappé, estrela da equipa

Rita Meireles

Lionel Hahn

Partilhar

O futuro de Didier Deschamps, selecionador francês, está decidido e passa pela continuação no cargo que ocupa desde 2012. Mas, apesar de o acordo entre a federação francesa e o treinador já estar finalizado, há uma polémica pelo meio.

Numa altura em que ainda existiam questões sobre o nome para o lugar, o presidente da Federação Francesa de Futebol, Noel Le Graet, falou sobre Zinedine Zidane numa entrevista à estação de rádio francesa RMC. Questionado sobre se o vencedor do Mundial de 1998 iria ocupar o cargo de selecionador brasileiro, Le Graet mostrou não estar interessado no tema, garantindo: "Ele pode ir para onde quiser".

Questionado se Zidane alguma vez se mostrou disponível para assumir o cargo de selecionador francês, ele que era tido como favorito a suceder a Deschamps, Le Graet garantiu: “Nem sequer teria atendido a sua chamada”.

Estas declarações não foram bem recebidas nem em França, nem em outros países. Muito por causa de toda a história que o agora treinador escreveu na modalidade. Zidane foi o primeiro treinador a ganhar a Liga dos Campeões três vezes consecutivas, ao serviço do Real Madrid. Desde que deixou o clube espanhol não voltou a abraçar mais nenhum projeto.

A estrela da seleção francesa e do Paris Saint-Germain Kylian Mbappé foi um dos que se manifestou publicamente sobre o assunto: “O Zidane é a França, não se desrespeita a lenda dessa forma”, escreveu no Twitter.

De Espanha também chegaram críticas às declarações de Le Graet. "Estes comentários mostram uma falta de respeito por uma das figuras mais admiradas pelos adeptos de futebol de todo o mundo e o nosso clube aguarda uma correção imediata", defendeu o Real Madrid. "As declarações do presidente da Federação Francesa de Futebol são inadequadas para alguém que detém tal representação e são, por si só, impróprias".

A ministra do desporto francesa, Amelie Oudea-Castera, afirmou que o presidente da "maior federação desportiva" do país tinha ultrapassado uma linha.

No final, Noel Le Graet viu-se obrigado a pedir desculpas.

"Gostaria de apresentar as minhas desculpas pessoais por estas observações que não refletem absolutamente o meu pensamento, nem a minha consideração pelo jogador que ele foi e pelo treinador em que se tornou", disse Le Graet ao "L'Equipe".

“Admito que fiz observações incómodas que criaram um mal-entendido. Zidane conhece a imensa estima que tenho por ele, como todo o povo francês”, continuou.

Zinedine Zidane terá sido também cogitado para a seleção portuguesa, que esta segunda-feira apresentou Roberto Martínez.