Perfil

Futebol internacional

Federação inglesa investiga cânticos homofóbicos para Frank Lampard no United-Everton para a Taça

A FA “condenou firmemente” um termo usado por alguns adeptos do Manchester United no Estádio Old Trafford, na sexta-feira à noite, para insultar o ex-futebolista do Chelsea e agora treinador do Everton. O United reagiu prontamente e um grupo de adeptos LGBTQ+ pediu aos dirigentes para identificarem os autores dos insultos e atuarem da maneira “mais firme possível”

Expresso

Naomi Baker

Partilhar

Depois de cânticos homofóbicos atirados alegadamente na direção de Frank Lampard, a Associação Inglesa de Futebol (FA) desencadeou uma investigação ao Manchester United-Everton, a contar para a Taça de Inglaterra, que terminou com uma vitória, por 3-1, para os red devils.

O termo usado por alguns adeptos no Old Trafford para insultar Lampard, um ex-futebolista lendário do rival Chelsea, foi “rent boy”, que se pode traduzir por um indivíduo que vende o corpo a outros homens para fins sexuais.

A FA “condenou firmemente” o recurso a essa expressão e revelou estar determinada em erradicá-la do futebol inglês, mencionado que continua a trabalhar de perto com algumas autoridades para tratar assuntos desta natureza, pode ler-se no “The Guardian”.

“Estamos convictamente contra todas as formas de discriminação e esforçamo-nos por assegurar que o nosso jogo seja um ambiente seguro para todos, que abrace verdadeiramente a diversidade e combata a conduta de ódio dentro e fora do campo”, diz um comunicado daquela associação de futebol, que indica que os cânticos de natureza homofóbica têm uma impacto importante na experiência dos adeptos LGBTQ+ nos estádios, isto é, esfarela o sentimento de inclusão nos jogos de futebol.

De acordo com o diário inglês, o Manchester United não esperou por qualquer desfecho da investigação e antecipou-se, condenando aqueles insultos. “A homofobia, como todas as formas de discriminação, não tem lugar no futebol”, diz o comunicado do clube visado.

“O Manchester United orgulha-se da base de adeptos diversa e do trabalho que temos feito para reduzir situações como as que infelizmente ouvimos hoje [sexta-feira à noite].

Um grupo de adeptos LGBTQ+ do clube, o Rainbow Devils, instou os responsáveis do United a identificarem os culpados por este ato e a tratar do assunto “da maneira mais firme possível”.