Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

“Dá-me a tua camisola”, ou talvez não. Ajax proíbe cartazes que peçam a camisola aos jogadores no estádio

Em campo estão 11, no banco estão mais alguns, mas quando comparados com o número de cartazes que lhes pedem a camisola, os jogadores estão em clara inferioridade. Incapazes de aceder a todos, o Ajax achou melhor não dar sequer oportunidade para que o pedido seja feito

Rita Meireles

ANP

Partilhar

Na jornada 27 da época passada, o Ajax recebeu o Feyenoord e jogou-se um dos clássicos do futebol holandês. O resultado? 3-2 para a equipa da casa e um jogo que deixou os adeptos com os nervos em franja do início ao fim. Foi Anthony quem, ao minuto 86, marcou o golo da vitória do Ajax e o mesmo jogador que protagonizou um momento que deu tanto ou mais que falar do que o próprio jogo.

No final da partida, o brasileiro dirigiu-se à bancada para dar a sua camisola a uma criança, mas, antes que o pudesse fazer, um homem conseguiu tirar-lhe a camisola das mãos e fugir com ela. Anthony não escondeu o ar confuso e continuou a conversar com a criança. Mais tarde, o clube informou que a camisola tinha sido devolvida e iria ser leiloada, com as receitas a reverter para um hospital pediátrico.

“O brasileiro está atualmente a caminho do Brasil por obrigações internacionais com a seleção, mas assinará a camisola quando regressar a Amesterdão. Depois disso, será leiloada e o Ajax doará os lucros ao Stichting Support Emma Children's Hospital”, lê-se no comunicado do clube.

Este foi um dos incidentes envolvendo as camisolas dos jogadores a que o Ajax assistiu recentemente e decidiu não ignorar, mas esta terça-feira, segundo avançou a imprensa holandesa, o clube optou por ir mais longe. Na sequência do número crescente de pedidos nos jogos, o clube decidiu proibir os adeptos de entrarem na Johan Cruyff Arena com cartazes a pedir camisolas aos jogadores.

Além de se ter tornado impossível para os jogadores acederem a todos os pedidos dos adeptos, principalmente crianças, o clube realçou que sempre que a camisola não era entregue, os próprios jogadores eram criticados e retratados como arrogantes. O risco de incêndio, por causa do cartão, também foi mencionado como um dos motivos que levou à proibição.

No jogo do sábado passado, frente ao PSV Eindhoven, os cartazes já foram confiscados. A decisão pode não ter agradado a muitas crianças que esperavam conseguir a camisola dos jogadores, mas deixou vários adeptos felizes.

“Obrigada, Ajax. Fizeram ao mundo do futebol um favor eterno”, “Devia ser assim em todo o lado” ou “É uma das melhores instituições de futebol do mundo por um motivo” são algumas das mensagens de adeptos que se podem ler nas redes sociais.