Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Diretor de futebol do Arsenal justifica saídas de Aubameyang ou Özil: “Às vezes é melhor pagar a um jogador para sair do que mantê-lo cá”

O brasileiro Edu Gaspar considera que havia vários jogadores que estavam a “matar” o clube londrino por se terem acomodado aos salários demasiado elevados. Aubameyang, Ozil, Kolasinac ou Sokratis são alguns exemplos de atletas que saíram para “limpar” a equipa

Expresso

Stuart MacFarlane/Getty

Partilhar

Edu Gaspar, diretor para o futebol do Arsenal, justificou as saídas de vários atletas importantes nas últimas épocas dos londrinos com a necessidade de “limpar” o plantel de elementos que estavam a “matar” o clube.

Ao jornal inglês “The Sun”, o antigo futebolista de Corinthians, Arsenal e Valencia, explicou: "Quando um jogador tem 26 anos ou mais, um salário alto e não está a corresponder às expectativas, ‘mata-te’. No passado, 80 por cento da nossa equipa tinha essas características. Esses jogadores não tinham valor de mercado e estavam confortáveis num contrato de longa duração, a viver em Londres".

Gaspar admite que a atitude possa não ser bem entendida: “Eu sei que é estranho chegar ao pé da direção e dizer: 'Às vezes é melhor pagar a um jogador para sair do que mantê-lo cá'. Percebo que magoe algumas pessoas e que os adeptos considerem que é um gasto excessivo, mas é preciso eliminar o problema".

Ao longo dos últimos anos, jogadores como Aubameyang, Ozil, Kolasinac, Mustafi ou Sokratis estariam nessas condições. “Precisávamos de limpar a equipa e, se fosse preciso pagar a algum jogador para sair, eu via isso como um investimento. É melhor assim do que tê-los a bloquear a entrada de outros atletas”, considera o diretor técnico do Arsenal, clube que tem investido forte no mercado esta época, em nomes como Oleksandr Zinchenko, Gabriel Jesus ou Fábio Vieira.