Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

O Palmeiras de Abel Ferreira e o Botafogo de Luís Castro estão fora da Taça do Brasil

A equipa bicampeã sul-americana perdeu com o rival da cidade, o São Paulo, e o clube do Rio de Janeiro não conseguiu superar o América Mineiro

Lusa

Buda Mendes/Getty

Partilhar

O Palmeiras, do treinador português Abel Ferreira, e o Botafogo, de Luís Castro, foram eliminados na quinta-feira à noite nos oitavos de final da Taça do Brasil de futebol, por São Paulo e América Mineiro, respetivamente.

Abel Ferreira, que venceu o troféu em 2020 com o verdão, viu a equipa ser afastada no desempate por grandes penalidades, depois de vencer no tempo regulamentar por 2-1 e tendo em conta a derrota sofrida em casa do São Paulo, por 1-0.

O Palmeiras teve a eliminatória na mão, quando estava a vencer por 2-0, com golos de Piquerez, aos 10 minutos, e Raphael Veiga, aos 13', mas este último desperdiçou uma grande penalidade – que daria o 3-0 -, aos 66'.

Pouco depois, o mesmo não aconteceu no lado do São Paulo, com Luciano, que tinha entrado a intervalo, a converter uma grande penalidade, aos 70 minutos, reduzindo a desvantagem para 2-1 e igualando a eliminatória.

No desempate por penáltis, Raphael Veiga voltou a falhar, mas Luciano também, até Wesley desperdiçar a quinta penalidade do Palmeiras, enquanto, do lado do São Paulo, Igor Gomes não ‘tremeu’ no quinto penálti e deu a vitória à sua equipa.

“O nosso melhor batedor falhou duas vezes. (…) Estamos tristes, chateados? Estamos. Fizemos um bom jogo na minha opinião? Fizemos. Deveríamos ter passado? Deveríamos. Mas futebol é mágico por isso mesmo, porque mesmo uma equipa produzindo pouco pode passar”, disse no final Abel Ferreira.

Já o Botafogo apresentava-se na segunda mãos dos ‘oitavos’ da Taça com a muito complicada missão de reverter uma derrota por 3-0, mas mesmo em casa voltou a perder, desta vez por 2-0, com golos de Felipe Azevedo (22') e Pedrinho (62'), que confirmaram o apuramento do América Mineiro.

O Fogão foi contestado pelos adeptos e no final Luís Castro comentou a sua situação no clube.

“Já percebi que a conferência quer ser encaminhada para o que é meu trabalho dentro do Botafogo. Estou há muitos anos no futebol e estou habituado a tudo. Portanto, nada me perturba e se os adeptos se manifestam de forma negativa têm razões para se manifestar. Não esperamos elogios quando perdemos”, referiu o treinador.