Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Estreia de Darwin pelo Liverpool não agradou mas Klopp defende reforço: “À terceira corrida, os pulmões dele estavam prestes a explodir”

A imprensa inglesa lembra que o uruguaio custou 85 milhões de libras aos cofres dos reds. Na Tailândia, o Liverpool perdeu por 4-0 com os rivais e vizinhos do Manchester United, com Darwin a ter um falhanço à boca da baliza e a mostrar sinais evidentes de cansaço, depois de ter estado limitado nos treinos

Carlos Luís Ramalhão

NurPhoto/Getty

Partilhar

Jürgen Klopp, treinador do Liverpool, saiu em defesa da recente contratação, Darwin Nuñez, depois de uma exibição pouco conseguida do avançado uruguaio ex-Benfica, na Tailândia, frente aos rivais do Manchester United. Os reds perderam por 4-0, num jogo em que o técnico alemão deu oportunidades a muitos jogadores jovens e às novas figuras da equipa, como o português Fábio Carvalho ou Darwin.

O jornal “Daily Mail” lembra que o Liverpool gastou um recorde de 85 milhões de libras com o uruguaio, o mês passado, mas o melhor marcador da liga portuguesa na última época “não conseguiu deixar um impacto positivo na terça-feira”, com a sua atuação a poder “resumir-se ao momento em que rematou à boca da baliza depois de o tiro de Mohamed Salah ter batido no poste”.

A mesma fonte lembra, no entanto, que a preparação de Nuñez para o jogo ficou marcada por bolhas nos pés. Durante os 30 minutos em que esteve em campo, o uruguaio deu a ideia de estar sem ritmo, o que o seu treinador desvalorizou. “O que viram foi os rapazes já à procura dele”, disse Klopp, na conferência pós-jogo.

O “Telegraph” diz que havia dúvidas acerca da utilização do avançado depois de Darwin ter sido forçado a ficar sentado durante grande parte do treino anterior. A aparição inesperada terá sido bem recebida pelos adeptos, que esperam, segundo o jornal inglês, que o ex-Benfica faça o mesmo que Luiz Diaz fez quando se transferiu do FC Porto, em janeiro: impor-se imediatamente.

O jornal refere que, além do falhanço à boca da baliza, houve também um bom momento, quando o uruguaio recebeu uma bola no peito e rematou, obrigando o guarda-redes suplente do Manchester United, Tom Heaton, a uma boa defesa.

Jürgen Klopp acabou por usar mais de 30 jogadores frente aos rivais do Noroeste de Inglaterra. Para o treinador, “não faz qualquer sentido” analisar atuações individuais. O alemão disse ainda que “o jogo veio cedo demais” para os seus planos de pré-temporada. À BBC, Klopp confirmou que a maior contratação deste defeso estava com bolhas nos pés, o que limitava os seus movimentos. O técnico admitiu também que, “após a terceira corrida, os pulmões [de Darwin] estavam prestes a explodir”, acrescentando o que significa, para a equipa, um jogador como Nuñez: “Um número nove com velocidade e agressividade”.