Tribuna Expresso

Perfil

Futebol internacional

Polícia inglesa faz uma detenção após denúncias de insultos racistas dirigidos aos suplentes do Arsenal no jogo contra o Leeds

No encontro disputado em Elland Road, Rob Holding, que estava sentado no banco dos gunners, alertou a equipa de arbitragem para a existência de ofensivas racistas dirigidas a alguns dos seus companheiros. O Leeds já confirmou a detenção e, em comunicado, garantiu que "qualquer adepto que tenha usado linguagem racista será banido para sempre de todas as partidas" do clube

Tribuna Expresso

Rob Holding, jogador do Arsenal, alerta a equipa de arbitragem para a existência de insultos racistas dirigidos ao banco de suplentes da sua eqipa

Stuart MacFarlane

Partilhar

Há mais um caso de racismo a manchar a Premier League. Durante a partida entre o Leeds United e o Arsenal, vencida pelos londrinos na passada jornada da competição, a polícia inglesa fez uma detenção após denúncias de insultos racistas dirigidos pelo público local face ao banco de suplentes do Arsenal.

Ao minuto 34, Rob Holding, jogador dos visitantes que estava sentado no banco, dirigiu-se à equipa de arbitragem para reportar o que estava a acontecer, levando a uma conversa entre representantes de ambos os clubes e o árbitro principal, Andre Marriner. O jogo recomeçou pouco depois.

A polícia agiu, detendo mesmo uma pessoa ainda na primeira parte, tendo também recolhido declarações, no final da partida, de futebolistas do Arsenal que estavam sentados no banco. Quer os gunners quer o Leeds irão enviar relatórios sobre o sucedido.

O Leeds United, equipa da casa, confirmou a detenção, dizendo que "uma investigação está em curso". O Leeds garante que o "racismo não será tolerado" no clube e que "qualquer adepto que tenha usado linguagem racista será banido para sempre de todas as partidas" da equipa orientada por Marcelo Bielsa.

Mikel Arteta, técnico do Arsenal, também confirmou as queixas da sua equipa e a detenção, explicando que agora "serão as autoridades a lidar com a situação". Segundo o "The Guardian", os insultos racistas foram dirigidos ao português Nuno Tavares e ao costa-marfinense Nicolas Pépé.