Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

Manifestantes invadiram o GP Grã-Bretanha. F1 fala em ação “estúpida e perigosa”, pilotos empatizam mas pedem outras formas de protesto

Lewis Hamilton, Carlos Sainz, Sergio Pérez e Sebastian Vettel mostraram o seu apoio à causa dos manifestantes que entraram em pista quando a corrida de domingo estava parada, mas pediram que mostrem a sua revolta de outras formas. A Fórmula 1 reagiu duramente à atitude dos ambientalistas

Expresso

Mario Renzi - Formula 1/Getty

Partilhar

Lewis Hamilton, entre vários pilotos, mostrou o seu apoio aos ambientalistas que se manifestaram durante o GP da Grã-Bretanha em Fórmula 1. Os autores do protesto entraram na pista de Silverstone enquanto a corrida estava parada, após um aparatoso acidente a envolver vários carros.

“Adoro que essas pessoas estejam a lutar pelo planeta, precisamos de mais como elas”, disse Hamilton. No entanto, o piloto da Mercedes deixou, mais tarde, um aviso: “Por favor não entrem nas nossas pistas para protestar, não queremos pôr-vos em perigo”. A adenda surgiu depois de a equipa do inglês, a Mercedes, se ter pronunciado: “O Lewis estava a aprovar o direito à manifestação, mas não o método que escolheram, que comprometeu a sua segurança e a de outros”.

Carlos Sainz, o vencedor da prova, também declarou o seu apoio à causa, mas não à forma de se fazerem ouvir: “As pessoas têm a oportunidade de falar e organizar manifestações onde querem, porque é um direito. Apenas não acredito que saltar para uma pista de F1 seja a melhor maneira de fazê-lo”.

Também Sergio Pérez, da Red Bull, segundo classificado do Grande Prémio, se pronunciou: “É ótimo ver pessoas a lutarem pela causa, mas obviamente que é bom que não se coloquem a eles ou a outras pessoas em perigo. Tenho a certeza de que a F1 ainda pode ir mais longe e temos de continuar a fazer força juntos para darmos um bom exemplo”.

Recorde-se que a Fórmula 1 assumiu o compromisso de atingir a neutralidade de carbono em 2030 e vai introduzir novos combustíveis sintéticos em 2026. Ainda assim, o presidente da F1, Stefano Domenicali recusou comentar a causa dos manifestantes, preferindo criticar duramente os seus métodos: “[Foi] estúpido e perigoso pôr as suas vidas e as dos outros em risco”.

Em comunicado, a organização da prova confirmou que o grupo foi retirado pela polícia local enquanto a corrida estava interrompida. “Podemos confirmar que, após a bandeira vermelha, várias pessoas tentaram entrar em pista. Estas pessoas foram imediatamente retiradas e a matéria está agora a ser tratada pelas autoridades”. De acordo com a BBC, a polícia de Northamptonshire confirmou a detenção de sete dos manifestantes.

O grupo Just Stop Oil reivindicou a autoria do protesto, dizendo que o objetivo é “uma suspensão imediata de novos projetos de petróleo e gás no Reino Unido” e prometendo que os seus elementos vão “continuar a interferir em eventos culturais e desportivos até que a exigência seja aceite”.

Sebastian Vettel, o quatro vezes campeão mundial que é uma das figuras mais vocais da Fórmula 1 em matéria de questões ambientais, disse empatizar "totalmente com os medos e ansiedades" dos manifestantes, mas falou também do "outro lado", aquele em que os manifestantes estão a "colocar em risco pilotos, marshals, todas as pessoas envolvidas na organização".