Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Kevin Volland: “Um pouco menos redes sociais para os mais jovens seria bom, porque são mentira. No campo está a verdade”

Em entrevista à Tribuna Expresso, feita durante o estágio do AS Monaco em Lagos, no Algarve, o avançado alemão falou sobre pré-épocas, música, o duelo com o Sp. Braga na Liga Europa, futebol moderno, nas possibilidades do clube contra o PSG e até na seleção alemã, com reflexões sobre aquele Portugal-Alemanha do Euro 2020 e Catar 2022. O tridente de heróis de infância desde canhoto não conta com nenhum bomber

Hugo Tavares da Silva

Juan Manuel Serrano Arce

Partilhar

Que tal se está pelo Algarve? [a conversa decorreu na sexta-feira, o estágio terminou, entretanto, após jogo particular com o Portimonense]
Tem sido muito bom treinar aqui. Temos bons campos e, o que é o mais importante, é só cinco minutos dos quartos para o campo. Tive alguns estágios, no passado, em que conduzíamos meia hora ou assim, com trânsito, por isso é muito bom.

Nas férias páras completamente ou...?
Não, temos um plano de treino do clube. Nos primeiros 10 dias estamos off, podemos desfrutar de amigos e família, não fazemos nada. É importante para a cabeça. Mas, depois, temos um plano estrito, com corridas e coisas assim, para que não percamos muitas condições em relação à época anterior.

As pré-épocas são aborrecidas?
[revira os olhos, suspira e sorri] Eu penso que é muito importante, porque jogamos muitos jogos, na Liga Europa e na Liga dos Campeões, muitos jogos na Ligue 1. Eu vi nos últimos dois anos, em que forçámos muito no segundo período da época e ganhámos muitos jogos porque éramos a equipa em melhores condições da liga. Isso ajuda muito agora que nos preparamos para toda uma temporada. É a base.

Houve uma mudança nesse capítulo com o novo treinador? [Philippe Clement entrou em janeiro de 2022]
Sim, acho que houve desde que o Paul Mitchell e os ingleses chegaram aqui. Queriam trabalhar mais com dados e, sim, queríamos ser uma das melhores equipas a nível físico das ligas do top-5. Mas, sim, o novo treinador gosta de ter uma equipa muito, muito fresca, boa e poderosa.

Depois de perderem com o Sp. Braga, na Liga Europa, o Monaco ganhou nove jogos e empatou um. Presumo que estejam a começar com muito força, será possível lutar com o PSG?
No futebol tudo é possível, mas sabemos o quão difícil, nos últimos dois anos, tem sido ganhar jogos na Ligue 1 contra todas as equipas que não estão no top-5. Esses são os jogos mais perigosos, mas vimos o Lille a consegui-lo há dois anos, tornaram-se campeões, tal como o Monaco em 2017. Tudo é possível, mas dizê-lo agora, antes da época começar, que queremos ser campeões ou sei lá, não é o momento certo para falar. Temos de apertar constantemente, estar a um bom nível toda a época. Nesta liga tudo é possível, é esse o objetivo.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler