Perfil

Crónica

No meio de neve, tempestades e risco de avalanche, eis o que se sente quando se tem a responsabilidade pela segurança dos amigos

Por fim, um pouco de ação na neve dos Montes Kaçkar, na Turquia, com pranchas a deslizarem e as caras contentes do surfista Filipe Jervis, do skater João Allen e do campeão nacional de snowboard, Ricardo Araújo, que é o cicerone da viagem e responsável por garantir a segurança de todos

Ricardo Araújo

Pedro Mestre

Partilhar

6h20 e acordo sentindo o corpo dorido das três horas a escavar neve no dia anterior. Ao abrir as cortinas do quarto, noto que o céu está azul, sem uma nuvem. Dias assim depois de nevar chamamos de “Bluebird”. Parece-me prometedor.

Para hoje temos o grande dia em que vamos finalmente fazer snowboard a sério. Tantos dias à espera desta janela de tempo para ter reunidas as condições necessárias. O planeamento já começou ontem assim que chegamos após um longo dia, mais uma vez gelados. Lasha é o nosso guia de alta montanha, quem vai supervisionar a segurança da operação. Juntos estudamos o terreno, revemos as condições de neve, o risco de avalanche e protocolos de segurança e emergência.

Desço do quarto para preparar as mochilas airbags (se necessário e depois de ativadas, dispoem um compartimento que se expande para o exterior no caso de sermos apanhados por uma avalanche fazendo que tenhamos mais volume junto ao corpo e assim tentarmos ficar mais à superfície possível).

Como líder desta expedição é muito pesado sentir a responsabilidade pela segurança dos meus amigos. Todos os detalhes são importantes. Já vivemos um pesadelo recentemente e a equipa já sabe que, de um segundo para o outro, podemos ter uma situação potencialmente catastrófica.

1 / 7

Pedro Mestre

2 / 7

Pedro Mestre

3 / 7

Pedro Mestre

4 / 7

Pedro Mestre

5 / 7

Pedro Mestre

6 / 7

Pedro Mestre

7 / 7

Pedro Mestre

Já depois do pequeno almoço, a moto de neve sai para calcar os trilhos. Digo no singular “moto” porque, infelizmente, não conseguimos utilizar as três que aqui estão estacionadas por falta de condutores qualificados. O processo de abertura dos trilhos é penoso, mas essencial porque a neve virgem é tanta que se não o fizeram certamente ficamos enterrados com o peso de mais um passageiro e o seu equipamento.

Finalmente saímos do hotel. Hora de formação em caso de avalanche. Isto consiste em saber em manusear o equipamento de avalanche e saber dos procedimentos em caso de avalanche.

Finalmente fazemo-nos ao caminho. Um a um, subimos a montanha de moto de neve. As primeiras descidas são muito conservadoras, mas vamos progredindo ao longo do dia. Como é bom ter a prancha nos pés, veres os teus companheiros de viagem conseguirem apreciar o momento, a esquecerem os dramas dos últimos dias.

A vida na montanha é dura, mas tudo está bem. A aventura aumenta e amanhã vamos desafiar picos maiores.

* Este texto faz parte de uma série de crónicas escritas por um surfista (Filipe Jervis), um skater (João Allen) e um snowboarder (Ricardo Araújo) profissionais durante uma viagem à Turquia em busca de ondas, neve e ruas para rolar, fruto de uma parceria entre a Tribuna Expresso e a Dakine Expedition.