Perfil

Benfica

“Velocidade de jogo”, “jogadas espetaculares” e “Juventus humilhada em Lisboa”: o que se diz em Itália da vitória do Benfica

As águias carimbaram a viagem da Juventus para fora da liga milionária, embora tenham sofrido depois de terem estado a golear. De Itália, chegam ecos de críticas ao histórico clube de Turim e alguns elogios ao Benfica. E a Rafa

Expresso

TIAGO PETINGA/LUSA

Partilhar

O histórico treinador Arrigo Sacchi não poupou no dramatismo, depois da derrota da Juventus por 4-3, no Estádio da Luz, que coloca a velha senhora fora da Liga dos Campeões e provável, mas ainda não certamente, a caminho da Liga Europa. “Esta Juve deprimida precisa de uma revolução”, foram as palavras do veterano técnico, reproduzidas pela “Gazzetta dello Sport”.

O mesmo jornal sublinha o fator “eliminação” e, de seguida, lembra que este foi o quarto “knock out” do clube preto e branco em cinco jogos da fase de grupos da liga dos grandes. Será o difícil jogo com o PSG a decidir se a Juventus estará sequer na Liga Europa.

Na “Gazzetta”, não houve apenas espaço para críticas aos compatriotas. O Benfica teve direito a homenagem: “Os portugueses foram mestres do jogo que os bianconeri deveriam ter vencido”. Diz ainda o jornal transalpino que as águias se mostraram capazes “de jogadas espetaculares, numa organização mecânica”.

O MVP do jogo, Rafa Silva, também mereceu palavras elogiosas: “Deixou logo claro que estava em noite grande: dribles, aceleração, fintas, conclusões… O seu repertório é completo e espetacular. À sua volta, o Benfica move-se em uníssono, a tocar a mesma partitura com grande ritmo e intensidade".

Forte nas críticas, o “Corriere della Sera” alinha no dramatismo de Arrigo Sacchi, falando em “desmoronamento” da Juve frente ao Benfica. O único elogio vai para o ex-portista Danilo, que “salva a honra”. “Os portugueses foram desenfreados”, diz o site do jornal vespertino, que lembra, no entanto, o final aflitivo da partida na Luz.

Por falar em drama, “Il Gazzettino” fala em “Juventus humilhada em Lisboa”. O “Corriere dello Sport” olha com admiração para as capacidades técnicas do conjunto orientado por Roger Schmidt e, pelo contrário, arrasa a equipa de Massimiliano Allegri: “Esteve mais de uma hora à mercê do adversário, [mostrando-se] psicologicamente frágil e incapaz de deter a avassaladora potência técnica e física dos anfitriões”.

“Bonucci sofre, Rabiot dececiona”, escreve o “La Stampa”. O “Il Mesaggero” diz que a “Juventus foi humilhada em Lisboa”. O diário deixa grandes elogios ao Benfica. “Velocidade de jogo, valores técnicos e condição física inigualável. E o Benfica não é o Real Madrid”, comenta o jornal, com a referência aos espanhóis a servir para rebaixar ainda mais uma desapontante Juve.

O “Tuttosport” centra as atenções naquele que considera ter sido o único sinal positivo da Juve em Lisboa. Aliás, Iling é referido como o que “ilumina o Estádio da Luz”, por contraste com a equipa que é eliminada no mesmo recinto. O jornal refere a importância do inglês na (quase) reviravolta dos últimos vinte minutos de jogo e lembra quanto pagou a velha senhora por ele ao Chelsea: 130 mil euros. “Nos poucos minutos disponíveis no final, chocou a defesa do Benfica e quase derrubou o jogo da Luz”, termina o jornal.

Várias figuras de renome com passado na Juventus e no futebol italiano (como o já referido Sacchi) comentaram a prestação da equipa de Turim. Fabio Capello falou da “falta de caráter e determinação” da Juve.

Nome maior no entretanto demolido Estádio Del Alpi nas últimas décadas, Alessandro del Piero, que esteve em Lisboa ao serviço de um canal de televisão, alongou-se nos comentários. “Os últimos 20 minutos deram uma ponta de esperança porque [a Juve] foi vista a lutar e a marcar, mas o balanço geral do jogo é mau. O primeiro tempo – e parte do segundo – foram dominados pelo Benfica. A Juve teve a possibilidade de fazer o 4-4, mas também é verdade que as águias tiveram a oportunidade de fazer o quinto. O Benfica dominou em grande parte”, disse o antigo internacional italiano.